Pesquisar neste blog:

quarta-feira, 30 de março de 2016

FBP - FORMAÇÃO BÍBLICO-PERMANENTE: AUTORIA/INSPIRAÇÃO BÍBLICA, DIVISÃO BÍBLICA E GÊNEROS LITERÁRIOS.

1.      INTRODUÇÃO.

 Colaborador formativo: Cássio José/ Data: 29 de março de 2016 (Igreja Nossa Senhora de Lourdes/Camocim-Ce)

No estudo de hoje, nos deteremos a esses 3 (três) assuntos relacionados ao bloco temático INTRODUÇÃO ÀS SAGRADAS ESCRITURAS. Todo livro, tem sua autoria, isto é, quem o escreveu.
No caso da Bíblia, todos os autores pelas quais foram usados por Deus para escreverem os livros que a compõem, não escreveram o que quiseram! Registraram, no entanto, por inspiração bíblica. Sob a ação do Espírito Santo é que se deu o processo de trazer a mensagem que a Escritura Sagrada hoje registra. Claro que isso, de acordo com os vários gêneros literários que a Bíblia se apresenta.

2.      AUTORIA/INSPIRAÇÃO E VERDADE BÍBLICAS.

A característica mais importante da Bíblia não é sua estrutura e sua forma, mas o fato de ter sido inspirada por Deus. Não se deve interpretar de modo errôneo a declaração da própria Bíblia a favor dessa inspiração. Quando falamos de inspiração, não se trata de inspiração poética, mas de autoridade divina.
Muitos homens e mulheres foram escolhidos pelo Senhor para escrever as Sagradas Escrituras. Gente de muitas partes, culturas e realidades. Homens que viajaram muito e outros que não saíram de sua terra. Pessoas cultas e analfabetas contribuíram para a composição das Sagras Escrituras. Todos eles tiveram um Encontro Pessoal com Deus e mudaram de vida. Dessa forma, foram inspirados pelo Espírito de Deus para escreverem os Livros Sagrados. Claro, antes, a Revelação era transmitida através da Tradição Oral. De geração a geração a Palavra de Deus, os acontecimentos vivenciados pelo povo de Israel eram narrados para os filhos e os filhos dos filhos, e assim por diante.

2.1.ENTENDENDO A INSPIRAÇÃO DIVINA DA BÍBLIA:
Assim escreveu Paulo a Timóteo: "Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça" (2Tm 3,16). Em outras palavras, o texto sagrado do
Antigo Testamento foi "soprado por Deus" (gr., theopneustos) e, por isso, dotado da autoridade divina para o pensamento e para a vida do cristão. A passagem correlata de 1Coríntios 2,13 realça a mesma verdade. Disto também falamos", escreveu Paulo, "não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais."
Quaisquer palavras ensinadas pelo Espírito Santo são palavras divinamente inspiradas. Em 2Pedro 1,21. "Pois a profecia nunca foi produzida por vontade dos homens, mas os homens santos da parte de Deus falaram movidos pelo Espírito Santo." Em outras palavras, os profetas eram homens cujas mensagens não se originaram de seus próprios impulsos, mas foram "sopradas pelo Espírito". Pela revelação, Deus falou aos profetas de muitas maneiras (Hb 1,1): mediante anjos, visões, sonhos, vozes e milagres. Inspiração é a forma pela qual Deus falou aos homens mediante os profetas. Mais um sinal de que as palavras dos profetas não partiam deles próprios, mas de Deus é o fato de eles sondarem seus próprios escritos a fim de verificar "qual o tempo ou qual a ocasião que o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava, ao dar de antemão testemunho sobre os sofrimentos que a Cristo haviam de vir, e sobre as glórias que os seguiriam" (l Pe 1,11).


O autor principal é um só: Deus. Deus se serviu de diversos autores humanos (hagiógrafos) para escrever a Bíblia. São homens e mulheres, jovens e idosos, pais e mães de família, sacerdotes, profetisas e profetas, agricultores e pastores, artesãos e pescadores, justos e pecadores. Junto com Deus, o autor da Bíblia é o povo.
Os autores bíblicos não se isolaram em seus “escritórios” e, diantedo seu “computador”, redigiram seus livros. Os textos bíblicos antesde serem escritos, foram memória oral durante muito tempo. Antes de virar texto, a experiência de Deus era contada, celebrada, atualizada a novos tempos. Aos poucos, essa memória oral foi sendo colocada por escrito. Nesse processo todo, muitas pessoas, até gerações inteiras, deram sua contribuição. De fato, a Bíblia é um livro que é fruto de um grande mutirão.
Os autores costumam atribuir suas obras a personagensimportantes do passado: Moisés, Davi, Salomão, Isaías, Paulo...
O Catecismo da Igreja Católica, citando a Dei Verbum afirma sobre a Inspiração e Verdade da Sagrada Escritura nos parágrafos 105, 106, 107 e 108:

CIC, nº 105:
Deus é o autor da Sagrada Escritura. "As coisas divinamente reveladas, que se encerram por escrito e se manifestam na Sagrada Escritura, foram consignadas sob inspiração do Espírito Santo".
"A santa Mãe Igreja, segundo a fé apostólica, tem como sagrados e canônicos os livros completos tanto do Antigo como do Novo Testamento, com todas as suas partes, porque, escritos sob a inspiração do Espírito Santo, eles têm Deus como autor e nesta sua qualidade foram confiados à própria Igreja."

CIC, nº 106:
Deus inspirou os autores humanos dos livros sagrados.. "Na redação dos livros sagrados, Deus escolheu homens, dos quais se serviu fazendo-os usar suas próprias faculdades e capacidades, a fim de que, agindo ele próprio neles e por meio deles, escrevessem, como verdadeiros autores, tudo e só aquilo que ele próprio queria."

CIC, nº107:
Os livros inspirados ensinam a verdade. "Portanto, já que tudo o que os autores inspirados (ou hagiógrafos) afirmam deve ser tido como afirmado pelo Espírito Santo, deve-se professar que os livros da Escritura ensinam com certeza, fielmente e sem erro a verdade que Deus em vista de nossa salvação quis fosse consignada nas Sagradas Escrituras."

CIC, nº 108:
Todavia, a fé cristã não é uma "religião do Livro". O Cristianismo é a religião da "Palavra" de Deus, "não de uma palavra escrita e muda, mas do Verbo encarnado e vivo". Para que as Escrituras não permaneçam letra morta, é preciso que Cristo, Palavra eterna de Deus vivo, pelo Espírito Santo nos "abra o espírito à compreensão das Escrituras".

3.      DIVISÃO BÍBLICA (ORGANIZAÇÃO DA BÍBLIA).

A Bíblia é formada pelos seguintes livros:
  • Antigo Testamento: Gênese, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, Juízes, Rute, 1Samuel, 2Samuel, 1Reis, 2Reis, 1Crônicas, 2Crônicas, Esdras, Neemias, Tobias, Judite, Ester, 1Macabeus, 2Macabeus, Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes (ou Coélet), Cântico dos Cânticos, Sabedoria, Eclesiástico (ou Sirácida), Isaías, Jeremias, Lamentações, Baruc, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Amós, Abdias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.
  • Novo Testamento: Mateus, Marcos, Lucas, João, Atos dos Apóstolos, Romanos, 1Coríntios, 2Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1Tessalonicenses, 2Tessalonicenses, 1Timóteo, 2Timóteo, Tito, Filêmon, Hebreus, Tiago, 1Pedro, 2Pedro, 1João, 2João, 3João, Judas e Apocalipse.
Portanto, o Antigo Testamento é formado por 46 livros e o Novo Testamento reúne 27 livros.
A Bíblia foi escrita em três línguas diferentes: o hebraico, o aramaico e o grego (Koiné). Quase a totalidade do Antigo Testamento foi redigida em hebraico, embora existam algumas palavras, trechos ou livros em aramaico e grego. Quanto ao Novo Testamento, este foi completamente redigido em grego - a única exceção parece ser o livro de Mateus, originariamente escrito em aramaico, contudo esse original foi perdido de maneira que resta-nos hoje a versão em grego.

3.1. A BÍBLIA HEBRAICA

A Bíblia hebraica compreende 39 livros, escritos antes de Cristo, sendo subdividida em três seções:
Torah ou Lei: compreende os cinco livros, Gêneses, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.
Profetas anteriores: compreende os livros de Josué, Juízes, 1-2 Samuel e 1-2 Reis.
Profetas posteriores: Isaías, Jeremias, Ezequiel e doze profetas menores, isto é, de Oseias a Malaquias.
Escritos: Salmos, Provérbios, Jó, Cântico dos Cânticos, Rute, Lamentações, Eclesiastes (Qoelet), Ester, Daniel, Esdras, Neemias, 1-2 Crônicas.

3.2.A BÍBLIA CRISTÃ

A Bíblia Católica possui 73 livros (a bíblia protestante possui 66 livros apenas, dado que Martinho Lutero adotou tão somente o Cânon da Palestina), estando 46 deles no Antigo Testamento (AT) e 27 no Novo Testamento (NT). O que separa o Antigo Testamento do Novo Testamento é a Encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo, Salvador do mundo. Todo o Antigo Testamento irá antever e preparar a vinda do Messias, do Salvador dos homens. Já o Novo Testamento retrata todo o ensinamento de Jesus e perpetua toda a sua revelação.
O Antigo Testamento é um livro que se formou num período de tempo de aproximadamente 1250 anos. Era a Bíblia de Jesus e seus Apóstolos. Mas no tempo de Jesus o AT ainda não tinha sido fixado na sua extensão definitiva. Só no Sínodo judaico da Jammia (cerca do ano 100 d.C.) chegou-se a formação do cânon veterotestamentário (AT).
O AT, além de ser a parte mais importante da literatura hebraica, pertence aos documentos mais veneráveis da humanidade. Não pode ser compreendido se se prescinde da história do povo de Israel, da legislação que regulava sua vida e das suas formas de expressão. Nele está uma variedade de literaturas. Contém 46 livros divididos em 4 grandes grupos:

1.      PENTATEUCO: Palavra grega que significa cinco livros. São chamados também de Torá (Lei)porquecontém a Lei da Antiga Aliança. Fazem parte do Pentateuco os seguintes Livros Sagrados: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.
2.      LIVROS HISTÓRICOS: São 16 livros que narram a história do povo e seus líderes: Josué, Juízes, Rute, I e II Samuel, I e II Reis, I e II Crônicas, Esdras, Neemias, Tobias, Judite, Ester, I e II Macabeus.
3.      LIVROS SAPIENSIAIS OU DE SABEDORIA E POÉTICOS: São 7 livros que encontramos a expressão da sabedoria e dos sentimentos do Povo: ditados, poesias, cantos, orações, hinos, provérbios, nos quais o povo registra seu sentimentos e expressa sua sabedoria tirada da experiência da vida. São eles: Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Cântico dos cânticos, Sabedoria, Eclesiástico.
4.      LIVROS PROFÉTICOS: São 18 livros que trazem a vida e a mensagem de Deus pelos profetas, narram a formação do povo da Bíblia com a vida, nome, lutas e a fé de seus heróis e do próprio povo. São: Isaías, Jeremias, Lamentações, Baruc, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Amós, Abdias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.

O Antigo Testamento era o livro lido por Jesus e pelas primeiras comunidades cristãs.
No Novo Testamento temos:
·         Evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e João.
·         Atos dos Apóstolos.
·         Cartas Paulinas: Romanos, I e II Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, I e II Tessalonicenses, I e II Timóteo, Tito, Filemon, Hebreus*.
·         Cartas Católicas (ou universais): Tiago, I e II Pedro, I, II e III João, Judas.
·         Apocalipse de São João (Livro da Revelação). 

Aceita-se a seguinte divisão para fins didáticos:
1.      LIVROS HISTÓRICOS: 4 Evangelhos + Atos dos Apóstolos.
2.      LIVROS DOUTRINAIS: 21 Epístolas (Paulo, Tiago, Pedro, João e Judas).
3.      LIVRO PROFÉTICO: Apocalipse.

3.3.OS DOIS TESTAMENTOS (A.T./N.T.) E A SUA UNIDADE EM CRISTO JESUS

Estudiosos cristãos frisaram a unidade existente entre esses dois testamentos da Bíblia sob o aspecto da Pessoa de Jesus Cristo, que declarou ser o tema unificador da Bíblia.1 Agostinho dizia que o Novo Testamento acha-se velado no Antigo Testamento, e o Antigo, revelado no Novo. Outros autores disseram o mesmo em outras palavras: "O Novo Testamento está no Antigo Testamento ocultado, e o Antigo, no Novo revelado". Assim, Cristo se esconde no Antigo Testamento e é desvendado no Novo.


4.      GÊNEROS LITERÁRIOS E SUA IMPORTÂNCIA

A mensagem da salvação, da qual a Bíblia se faz porta-voz, vem proposta e expressa nos textos sob variadas formas: indo de relatos históricos a textos poéticos, de cânticos de vitórias a lamentações proféticas, de textos jurídicos a hinos litúrgicos, das parábolas às genealogias, de trechos dogmáticos a exortações fraternas.

Essas diversas “técnicas” expressivas são chamadas pelos estudiosos de gêneros literários. Trata-se de antigas formas linguísticas ligadas às diferentes maneiras de informar; os cânticos de vitórias; os códigos legais. Fazendo uma classificação sumária, podemos distinguir dois grandes gêneros literários: poesia e prosa. Dentre eles, são classificados outros gêneros menores.


4.1.Textos em poesia
Dentre eles, distinguem-se poemas de amor (por exemplo, o Cântico dos Cânticos), as bênçãos, os cânticos de agradecimento, as súplicas, as lamentações, os hinos de louvor, os oráculos proféticos. Cada gênero adota uma linguagem específica a ser decifrada à luz do contexto específico: um trecho poético apresentado no Cântico dos Cânticos é diferente de uma lamentação profética. A este gênero pertence também a literatura sapiencial, cujo objetivo é transmitir às gerações futuras a reflexão e a experiência dos sábios. É expressa por adágios, ditos populares, sentenças, poemas temáticos, pequenos tratados.
4.2.Texto em prosa.
A classificação dos textos em prosa é mais ampla e complexa. Encontramos documentos de caráter histórico, como os anais; as crônicas; as genealogias; os evangelhos; as narrações didáticas, como as parábolas; as cartas, como as de Paulo, Pedro, Tiago, João, Judas; tratados teológicos; os relatos dos milagres; os relatos da infância e os discursos proféticos, nos quais mensagens singulares, em nome de Deus, remetem a destinatários preciosos com alocuções, vaticínios, palavras fortes.
Cada gênero literário comunica uma mensagem precisa. É quando o ato de escrever torna-se uma arte. O tema pode ser o mesmo, ou seja, um assunto pode ser tratado por um filósofo, um poeta, um historiador, um cientista. Cada uma dessas áreas aborda um mesmo tema com linguagem específica, recortando-o a seu modo, conferindo a ele uma característica particular.
Os gêneros literários não podem ser ignorados no aprendizado da arte da escrita e de sua leitura.
Para descobrir a intenção dos hagiógrafos, devem-se levar em conta entre outras coisas, também os gêneros literários. Pois a verdade é apresentada e expressa de maneiras diferentes nos textos que são de vários modos históricos, proféticos ou poéticos, ou nos demais gêneros de expressão (Dei Verbum, 12).



5.      BIBLIOGRAFIA CONSULTADA (NÃO SEGUE AS NORMAS DA ABNT)

ABC DA BÍBLIA: Coleção por trás das palavras, CEBI e Fr. Carlos Mesters;
Apostila: Grupo de Perseverança da Renovação Carismática Católica (Volume 01);
Bíblias de estudo: Ave Maria e de Jerusalém;
Bíblia CNBB;
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA;
CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA DEI BERBUM;
LIVRO: INTRODUÇÃO GERAL SOBRE BÍBLIA.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página