Pesquisar neste blog:

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Qual o posicionamento da Igreja Católica referente a Nova Era?





Por Cássio José
Membro da Renovação Carismática Católica de Camocim
Grupo de Oração: Renascer

Início de Conversa
Primeiro é importante o entendimento da expressão Nova Era. Na realidade, ela nada mais é do que um retrocesso no dias atuais de antigas doutrinas pagãs de um tempo bem remoto em que, procura enquadrar-se nos tempos atuais pressupostos de uma nova pseudofilosofia pagã.
 Quando se estuda sobre Nova Era, sistema filosófico e satânico em que se tem o desejo de se implantar o reino de Satanás e sua doutrina através de várias maneiras e prerrogativas (Por exemplo: desenhos animados, filmes, novelas, marcas, músicas, símbolos...), muitos acham que não há fundamentação no Magistério da Igreja Católica.
Não é bem assim como se pensa! Há um rico leque de pronunciamentos em toda a História do Cristianismo por parte de muitos homens e mulheres cristãos, santos e até mesmo papas no que concerne a defesa da fé cristã frente às falsas doutrinas que surgiam.
1.       Sagrada Escritura e Falsas Doutrinas
Além disso, percebemos que há um recheado conjunto de exortações na própria Palavra de Deus para com os perigos que falsos profetas venham a deturpar a Palavra do Senhor e denegrir a imagem dos cristãos (Dt 12,32; 13, 1-5; 18,9-14; Lv 19,26.31; Mt 6,33-34; At 19,19; Gl 5, 19-21; Ef 5, 8-17...).
Aqui temos apenas um reduzido demonstrativo de passagens bíblicas que condenam práticas religiosas que desagradam o nosso Deus-Criador. Poderíamos pegar, como exemplo, a passagem de Deuteronômio 18, 9-14 para a elaboração de uma singela lista de práticas abomináveis por Deus. Veja:
* Não se ache no meio de ti quem se faça passar pelo fogo seu filho ou sua filha (tipo de magia da época em que se fazia isso como culto aos deuses da época: Dt 12, 29-31);
*Adivinhação;
*  Astrologia;
*  Agouros e feiticismo;
*  Magia;
*  Espiritismo;
*  Invocação aos mortos.

As falsas doutrinas da Astrologia (Sb 13,2-5; Dt 18,10; Ex 20, 2-4; II Rs 21, 3-6.11; 23,5) e do Espiritismo (Ex 22,17; Dt 12,13;18, 9-14; 32,12-18; Lv 19,26.31; 20, 6.27; II Rs 9,22;16,3-4;17,17;21,6;23,10; Js 13,22; 23,7-8.16; 24,20.23; Mq 5,9-14; At 19, 18s; Hb 13,9) são condenadas por Deus. Inclusive a reencarnação e a comunicação com os mortos:
São dois ensinamentos totalmente anti-bíblicos. A reencarnação não existe uma vez que Jesus RESSUSCITOU e não se reencarnou. Hebreus 9,27 “nos diz que os homens morrem uma só vez e após isso vem o juízo”. Além disso, na cruz Jesus disse para o ladrão arrependido: “Hoje mesmo estarás comigo no paraíso”(Lc 23,43). Vemos também na parábola em que Lázaro vai para o seio de Abraão e o rico para as tormentas do inferno, que este pede ao menos uma gota de água por causa da temperatura do fogo que lhe consumia. Jesus disse: “Além de tudo, há entre nós e vós um grande abismo, de maneira que os que querem passar daqui para vós não o podem, nem os de lá para cá” (Lc 16,26). Por tanto, reencarnação foi uma doutrina satânica inventada para nos afastar da Ressurreição de Cristo, uma vez que nos últimos dias os mortos irão ressuscitar para o julgamento (I Ts 4,13-18). Não há, por tanto, reencarnação. Quanto a COMUNICAÇÃO COM OS MORTOS, a Bíblia nos deixa bem claro que o que há nos ares do espaço são anjos ou demônios (Jo 1,51; Ef 6,12). É o próprio Satanás (e seus demônios) que se disfarça em anjo de luz para enganar os filhos de Deus (I Cor 11,14-15).
[SOUSA, Cássio José dos Santos. Um breve estudo sobre a Nova Era. Disponível no blog: http://somosestrangeirosaquinaterra.blogspot.com. Acesso em 23 de junho de 2011]

2.       Magistério da Igreja e Nova Era
Além de vislumbramos a riqueza da Palavra de Deus no que diz respeito à denúncia de praticas e doutrinas que O desagradam, encontramos no Magistério da Igreja Católica uma forte exortação para os católicos quanto aos perigos às doutrinas, seitas e religiões que estão justapostas a Nova Era.
Assim expressa o Catecismo da Igreja Católica para com algumas atitudes não cristãs (n. 2116):
Todas as formas de adivinhação hão de ser rejeitadas: recurso a Satanás ou aos demônios, evocação dos mortos ou outras práticas que erroneamente se supõe “descobrir” o futuro. A consulta aos horóscopos, a astrologia, a quiromancia, a interpretação de presságios e da sorte, os fenômenos de visão, o recurso a médiuns escondem um desejo de ganhar para si os poderes ocultos. Essas práticas contradizem a honra e o respeito que, unidos ao amoroso temor, devemos exclusivamente a Deus.
 Queremos, também, destacar aqui, algumas considerações iniciais que nos deixa o documento do Vaticano ao estudar a Nova Era:
* Segundo o documento, a Nova Era não tem nada de novo. O nome parece ter-se difundido através da Rosa-cruz, e da Maçonaria, no tempo da Revolução Francesa e da Americana, embora sua variante a que se refere é uma variante contemporânea do esoterismo ocidental;
* A Nova Era é atraente e sedutora sobretudo por que muito do que oferece satisfaz aspirações, muitas vezes não satisfeitas pelas instituições oficiais;
*   A eficácia pastoral da Igreja, no terceiro milênio, depende, em grande medida de proclamadores eficazes da mensagem evangélica;
* Pelo fato de um grande número de pessoas misturarem Cristianismo e Nova Era, percebe-se nas igrejas cristãs alguns elementos da Nova Era, tais como: cultura empresarial, “Evangelho da prosperidade” e cultura consumista.

Ao expor uma definição para a Nova Era assim expressa o Documento do Vaticano: Nova Era – Jesus Cristo portador de água viva:
A Nova Era trata-se de uma estrutura sincrética (combinação ou mistura de diversos sistemas religiosos) que incorporam muitos elementos diferentes, que permite que as pessoas partilhem interesses ou ligações em graus muito diversos e a vários níveis de empenhamento. A Nova Era não é um movimento único ou uniforme, mas antes uma rede de malhas largas de praticantes cuja convergência comum consiste em PENSAR GLOBALMENTE, MAS AGIR LOCALMENTE.
Veja também o pronunciamento do Papa João Paulo II quando se dirigiu aos bispos norte-americanos em: 28. 05. 1993:

As ideias do movimento `New Age' (Nova Era) conseguem, às vezes, insinuar-se na pregação, na catequese, nas obras e nos retiros, e deste modo influenciam até mesmo católicos praticantes que, talvez, não tenham consciência da incompatibilidade entre aquelas idéias e a fé da Igreja. Na sua visão sincretista e imanente, esses movimentos para-religiosos dão pouca importância à Revelação; pelo contrário, procuram chegar a Deus mediante a inteligência e a experiência, baseadas em elementos provenientes da espiritualidade oriental ou de técnicas psicológicas. Tendem a relativizar a doutrina religiosa, em benefício de uma vaga visão mundial, expressa como sistema de mitos e de símbolos, mediante uma linguagem religiosa. Além disso, apresentam com frequência um conceito panteísta de Deus, o que é incompatível com a Sagrada Escritura e com a Tradição cristã. Eles substituem a responsabilidade pessoal das próprias ações perante Deus por um sentido de dever em relação ao cosmo, opondo-se, assim, ao verdadeiro conceito de pecado e à necessidade de redenção por meio de Cristo.
 “A nova era propõe teorias e doutrinas sobre deus, o homem e o mundo, que são incompatíveis com a fé cristã”.
 [pontifício conselho para a cultura
pontifício conselho para o diálogo inter-religioso intervenção do cardeal Paul Poupard na apresentação de um documento sobre a ‘nova era’, 3 de fevereiro de 2003, sob o papado de João Paulo II/ grande dicionário das religiões – “Religioni e Sette Nel Mondo”, 6 [1996], pág. 7]
Ainda afirma o Catecismo da Igreja Católica (parágrafo 2117), quanto às forças ocultas:
Todas as práticas de magia ou de feitiçaria com as quais a pessoa pretende domesticar os poderes ocultos, para colocá-los a seu serviço e obter um poder sobrenatural sobre o próximo – mesmo que seja para proporcionar a este a saúde – são gravemente contrárias à virtude da religião. Essas práticas são ainda mais condenáveis quando acompanhadas de uma intenção de prejudicar a outrem, ou quando recorrem ou não à intervenção dos demônios. O uso de amuletos também é repreensível. O espiritismo implica freqüentemente práticas de adivinhação ou de magia. Por isso a igreja adverte os fiéis a evitá-lo.
O ensinamento do Papa foi explicado e comentado pelo Pe. Joãozinho, SCJ, em seu livro "Nova Era e Fé Cristã", Edições Loyola (com Imprimatur).
Tudo isso é muito importante porque, como diz o Papa, essas idéias anti-Cristãs têm se infiltrado dentro da Igreja Católica. Especialmente no Brasil, como escreve o Pe. Joãozinho:
Até mesmo algumas pessoas que já foram ligadas à Igreja Católica têm se apropriado do lucrativo filão de idéias da Nova Era. Uma dessas pessoas é o Pe. Lauro Trevisan, de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Seus livros sempre mostraram tendências New Age. Ultimamente ele tem se tornado mais explícito e ousado [por exemplo, publicando o livro "Aquarius: A Nova Era Chegou"].
Lauro Trevisan adapta-se perfeitamente às três categorias de adeptos da Nova Era: militante, simpatizante e oportunista!
Em janeiro de 1991, Trevisan promoveu o Congresso Internacional do Poder da Mente. O evento foi chamado de "Festinvita". Seu grande lema: "A Nova Era Chegou!" Esse congresso repete-se todos os anos em janeiro, com grande afluência de esotéricos do mundo inteiro. Usando e abusando do título de padre, Lauro Trevisan atrai e confunde muitos cristãos que não estão bastante seguros da doutrina católica. É necessário esclarecer que Lauro Trevisan está totalmente à margem das atividades oficiais da Igreja Católica. Suas publicações não são autorizadas. Já foi advertido diversas vezes, mas preferiu manter-se como bem-sucedido empresário da Nova Era."

Também o Bispo Dom Orlando Brandes, da Diocese de Joinville, em um ensino aos coordenadores de catequese sobre a Nova Era, em 23/11/95, disse que Lauro Trevisan não é cristão, e usa o que é católico para levar os católicos à Nova Era.

Lauro Trevisan e outros falsos profetas, como lobos em pele de cordeiro, divulgam essas doutrinas que o Papa diz ser "incompatíveis com a fé da Igreja". Divulgam, principalmente, a teoria de que nossa mente teria um "poder infinito", ou seja, que nós somos potencialmente onipotentes, todo-poderosos, como Deus. É a antiga tentação da serpente: "Vossos olhos se abrirão e sereis como deuses." (Gn 3,5). 
               
Tem se levantado contra a doutrina cristã, um grande movimento que visa pregar um novo pensamento, uma nova doutrina. Este movimento de alcance mundial, porém ainda muito sutil, chama-se “nova era”. Mas, também é conhecido por “new age”, nova consciência, nova ordem mundial, era de aquário, conspiração Aquariana, etc. No entanto, apesar do nome, seus pensamentos e doutrinas são antigos, e totalmente contra a fé cristã. Suas doutrinas, por serem copiadas de outras religiões, existem mesmo antes do judaísmo.
A Nova Era se baseia na crença de que, de tempos em tempos, se ergue na humanidade um cristo, um avatar, um ou mais, ungidos ou iluminados, que guiam os rumos da fé no mundo. Krishina, Buda, Maomé, e Jesus Cristo, teriam sido alguns desses líderes. O desenho “avatar” mostra muito bem essa idéia budista. Agora aguardam a quem chamam de senhor Maytrea ou Saint German, que seria aquele que realizaria a segunda volta de Jesus. Jesus, segundo a nova era, veio pela primeira vez, há 2.000 anos, num período do tempo, chamado pela astrologia de “era de peixes”.
No terceiro milênio, o mundo já estaria numa nova época astrológica, uma nova era, chamada de “era de aquário”, na qual, o pensamento religioso assume outra posição. Jesus voltará sim uma segunda vez, mas não para pregar novamente e muito menos para pregar coisas novas e que anda por cima contrariam o que pregou nos evangelhos:
Antes do advento de cristo, a igreja deve passar por uma provação final que abalar a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha a peregrinação dela na terra” desvendará o “mistério de iniqüidade” sob a forma de uma impostura religiosa que há de trazer aos homens uma solução aparente a seus problemas, à custa da apostasia da verdade. A impostura religiosa suprema é a do anticristo, isto é, a de um pseudo-messianismo em que o homem glorifica a si mesmo em lugar de deus e de seu messias que veio na carne.
[Catecismo da Igreja Católica, n. 675]
O Documento de Aparecida convoca toda a eclesialidade da Igreja para voltar-se para o seu único e suficiente Senhor e Salvador, abandonando-se todo o relativismo religioso que nos circunda com seus achismos e ceticismos:
No clima cultural relativista que nos circunda se faz sempre mais importante e urgente enraizar e fazer amadurecer em todo o corpo eclesial a certeza de que Cristo , o Deus de rosto divino, é nosso VERDADEIRO  e ÚNICO SALVADOR.
[Documento de Aparecida, n.22] 
Considerações finais:
                Como imitadores dos primeiros cristãos e sobre tudo de Nosso Senhor Jesus Cristo, é imprescindível que perseveremos na sã doutrina da salvação até o fim. Devemos sim repudiar e renunciar todas as práticas que são abomináveis aos olhos de Deus. E isso, baseado na Palavra de Deus e no Magistério da Igreja Católica que são riquíssimos.
                Sempre foram levantados por Deus homens e mulheres corajosos quando, à visão humana, a Igreja viria a se afogar pelo contra testemunho dos “homens da Igreja” e das heresias e apostasias que surgiam, o que na contemporaneidade, também assim Deus o faz. Exemplos disso seria o beato João Paulo II e a atual Papa Bento XVI.
Aliado as heresias e apostasias que sempre se levantam para com a Igreja, ainda nos resta combater o bom combate no que se refere aos ataques da atualidade para com a Igreja que Satanás tem ódio:
A IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA!

Referências:  

Apresentação de um documento sobre a ‘nova era’: Pontifício conselho para a cultura pontifício conselho para o diálogo inter-religioso intervenção do cardeal Paul Poupard, 3 de fevereiro de 2003, sob o papado de João Paulo II;
Bíblias: Ave Maria, CNBB, Bíblia de Jerusalém, Tradução Ecumênica da Bíblia (Teb) e Bíblia Pastoral;
Catecismo da Igreja Católica;

Documento de Aparecida;

João Paulo II: Carta aos bispos norte-americanos, 28 de maio de 1993;

Nova era: seus conceitos, crenças, cultura

SOUSA, Cássio J. dos Santos. Um breve estudo sobre a Nova Era. Disponível no blog: http://somosestrangeirosaquinaterra.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página