Pesquisar neste blog:

sábado, 21 de maio de 2011

O louvor como instrumento poderoso para derrubar as muralhas! (Êxodo 14-15)



Introdução:

Quando nós éramos do mundo a nossa língua era objeto de maldição e palavreados que espalhavam confusão e contenda, além de gírias que não agradavam os ouvidos de Deus. Um dia, no entanto, tivemos um encontro pessoal com o Senhor Jesus: o motivo e a razão do nosso viver! A partir de então, a nossa língua torna-se objeto de louvor a Deus. Antes, fazíamos parte da raça dos murmuradores, geralmente mundanos. Hoje, fazemos parte do exército dos homens e mulheres do louvor que sobe até Deus: os que adentram livremente na Sala do Trono, o Santo dos santos, para estarmos nos ares do louvor, o monte dos adoradores do Deus vivo. Com o nosso viver podemos expressar um verdadeiro sacrifício de louvor a Deus:

 “Em suma: quer comais, quer bebais, quer façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus”. (I Cor 10, 31)

“E tudo o que disserdes ou fizerdes, que seja sempre no nome de Jesus, por ele dando graças a Deus Pai”. (Cl 3,17)    

“Se alguém tem o dom de falar, fale como se fosse palavras de Deus. Se alguém tem o dom do serviço, exerça-o como capacidade proporcionada por Deus, a fim de que, em todas as coisas, Deus seja glorificado, por Jesus Cristo a quem pertencem a glória e o poder, pelos séculos dos séculos. Amém”. (I Pd 4,11)

“Por meio de Jesus, ofereçamos a Deus um perene sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que celebram o seu nome”. (Hb 13,15)
            
               Dessa forma, as nossas palavras de glorificar a Deus são extensão do nosso viver. A concordância entre nossas palavras e o nosso proceder está no fato de quem uma vez tendo um encontro pessoal com Jesus e tendo recebido do grande e maravilhoso amor de Deus Pai, nos é dado o Espírito Santo que nos faz, com a nossa própria vida, glorificar e louvar a Deus em todas as coisas. É nisso que consiste o perene sacrifício de louvor a Deus: a adoração que parte da nossa própria vida.
1.   
                            O LOUVOR: DEFINIÇÕES E FINALIDADES

Em muitas situações no Antigo e no Novo Testamento encontramos manifestações do louvor a Deus. Assim diz o Magistério da Igreja quanto a Oração de louvor:


O louvor é a forma de oração que reconhece o mais imediatamente possível que Deus é Deus! Canta-o pelo que Ele mesmo é, dá-lhe glória, mais do que pelo que Ele faz, por aquilo que Ele É. Participa da bem-aventurança dos corações puros que o amam na fé antes de o verem na Glória. Por ela, o Espírito se associa nosso espírito para atestar que somos filhos de Deus, dando testemunho ao Filho único, em quem somos adotados e por quem glorificamos o Pai. O louvor integra as outras formas de oração e as levar Àquele que é sua fonte e termo final: "O único Deus, o Pai, de quem tudo procede e para quem nós somos feitos" (1 Cor 8,6).     
                                                                   [Catecismo da Igreja Católica, n. 2639]
   
Podemos perceber então que uma fundamental característica do louvor é o fato de glorificar a Deus mais pelo que Ele é do que pelo que Ele faz. É o reconhecimento da possibilidade mais imediata de que Deus é Deus. Por tanto, os que louvam a Deus não estão em volta daquilo que é do mundo, uma vez que se aproximam imediatamente e reconhecem o Deus vivo. Estando próximos, íntimos de Deus o louvam e o glorificam. O fato de reconhecermos que Deus é Deus faz com que haja um provocamento nos nossos corações de louvar a Deus. 

Além disso, o louvor é também fruto ou consequência do amor que nós temos para com o nosso Deus: por amarmos tanto o Senhor, desejamos louvá-lo também com o nosso proceder. E aqui nós temos mais um aspecto importante do louvor: louvar é mais do que agradecer, é elogiar. E só podemos elogiar alguém quando o conhecemos. A nossa intimidade para com Deus produz desejo profundo de elogiá-lo (louvá-lo) a todo o instante, seja em palavras ou em atos, pressuposto de sermos apaixonados e amarmos ao Senhor.      
2.                                 
                   LOUVOR DIFERENTE DE MURMURAÇÃO!

Encontramos muitos irmãos que murmuram por tudo e nem percebem que essa murmuração é louvor para Satanás. Ao lermos a História da Salvação vemos que no deserto muitos israelitas murmuraram, apesar de serem libertos da escravidão do Egito. A Palavra de Deus deixa bem claro, no entanto, que os que não murmuraram, os que louvaram ao Senhor por todas as coisas adentraram e moraram na terra prometida (Nm 14, 26-38; Js 5,6).

Os que louvam a Deus já experienciam nesta vida a nova Canaã, o céu. Mas os servos de Deus que não louvam na provação e murmuram (reclamam), por tudo não podem morar no céu, pois é o lugar do mais completo, eterno, perene e mais puro louvor a Deus. Algumas músicas cristãs podem ajudar a compreender o poder do louvor, no nosso estudo, para que tenhamos consciência do impacto que o louvor tem quando chega aos céus. Observemos essa do Adoração e vida no seu novo cd Em santidade

Estou aqui querendo tua presença, dizer-te oh Deus: tua graça me sustenta. A ti o meu louvor. Estou aqui e nada mais me importa. Eu já entrei pelas tuas portas com hinos de louvor. Tu és o selo da minha adoração. Tu és a força que atrai meu coração. Eu vou buscar tua face oh Senhor. Nada, nada tem tanto valor. Eu abro mão de tudo por tua presença. Se eu não te adoro nada faz a diferença. Eu abro mão de tudo por tua presença. Meu Senhor, meu tudo.
3.     

A VITÓRIA NO COMBATE: LOUVAR A DEUS MESMO PASSANDO PELA PROVA!


A vitória no combate acontece quando nós servos de Deus e soldados do Altíssimo levantamos a nossa espada do louvor. Todas as vezes quando pronunciamos o louvor a Deus os nossos inimigos fogem espantados porque não suportam ouvir o louvor que rendemos Aquele que está sentado no trono de majestade! Um simples: “Glória a Deus!”, “Amém Jesus!”, “Oh glória!”, “Louvado seja Deus!” e até mesmo as nossas lágrimas de louvor podem alcançar milagres e muitas maravilhas para a nossa vida e derrubar muralhas. A sinceridade e a humildade, juntamente com o humilhar-se diante de Deus, além de ser expressão do nosso louvor, trazem a intervenção de Deus para as situações conflituosas. (Eclo 13,9). A nossa fé é um puro louvor (CIC, n. 2642), que nos faz louvá-lo, com alegria na prova.

Santo Agostinho diz: "Interroga a beleza da terra, interroga a beleza do mar, interroga a beleza doar que se dilata e se difunde, interroga a beleza do céu... interroga todas estas realidades. Todas elas te respondem: olha-nos, somos belas. Sua beleza é um hino de louvor. Essas belezas sujeitas à mudança, quem as fez senão o Belo não sujeito à mudança?"

Que a nossa vida seja um acorde, expressão do louvor a Deus, que derruba as muralhas! 

Cássio José: pregação ministrada no retiro do Grupo Vida Nova em 21 de maio de 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página