Pesquisar neste blog:

terça-feira, 5 de abril de 2011

QUARESMA NA CONTEMPORANEIDADE?



Uma introdutória reflexão que se pode fazer ao se falar de Quaresma, é o fato de se questionar: Existe realmente preparação para a festa mais importante do Cristianismo, a Páscoa, no que diz respeito à vivência quaresmal, ou é simplesmente mais “um empurrar liturgicamente” (ao que parece é o mais provável!), para os católicos nesse período denominado Quaresma?
Quero de antemão, antes que seja mal interpretado, deixar muito claro que não é objetivo meu criar rixas para com a minha Igreja, a Católica Apostólica Romana e nem para com os seus membros! Eu a amo e tenho plena convicção de que é a Igreja que foi fundada por Jesus de Nazaré, apesar de que “Desde a primeira evangelização até os tempos recentes, a Igreja tem experimentado luzes e sombras”. [Documento de Aparecida, Introdução, n. 4]
Não é necessário ter Teologia ou formação em Liturgia para perceber que a quaresma nesta época dos últimos dias não passa de mais um tempo empurrado pela barriga, ops!?, pela liturgia. Primeiramente pelo simples fato de que uma paróquia ou movimento/ pastoral é reflexo do líder religioso ou de seu trabalho ali desempenhado. Segundamente, pelo fato de os cristãos mesmo estando mais empenhados na vida missionária da Igreja e praticarem a leitura bíblica e estudos no âmbito religioso, são desassistidos pelos líderes da Igreja Católica. Estes,  necessitam mais do que nunca retornarem ao cenáculo de Pentecostes.
Entretanto, claro!, é inquestionável o fato de que por estarmos em tempos muito modernos e com tecnologia de ponta e altamente avançada, os homens dessa era têm desempenhado mais os desejos materiais do que os espirituais; muito embora, a Palavra de Deus nos alerte “que devemos buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça” (Mt 6,33), com o propósito de “buscar as coisas do alto e cuidar das coisas celestiais e não do que é da terra” (Cl 3,1), uma vez que “os tesouros aqui da terra podem ser roubados por ladrões e danificados pela ferrugem e pela traça”(Mt 6,19). 
1.    Quaresma, pressupostos:
Liturgicamente, a quaresma é um profundo momento de intimidade com Deus e com os irmãos, em que através do jejum, oração e caridade fraterna, há uma tentativa de preparação para a Páscoa. É o famoso ensinamento dos três âmbitos de relacionamentos: Com Deus, com os irmãos e para consigo mesmo.
No Antigo Testamento os israelitas estavam peregrinando pelo deserto direcionados por Deus, através de Moisés, à terra onde corre leite e mel, Canaã na Palestina. Claro que em quarenta anos muita coisa aconteceu: lutas para com alguns povos inimigos em que a vitória foi sempre do povo de Israel, a Aliança para com Deus no monte Horeb ou Sinai, em que “Deus tornou-se Deus para os israelitas e eles tornaram-se povo de Deus”, o Maná sendo alimento para os israelitas e muita murmuração desse povo ingrato em que apesar de contemplarem com os próprios olhos as maravilhas de Deus, sempre reclamavam porque tinham saudades da vida de escravidão no Egito...
No episódio em que as dez pragas eram derramadas sobre os opressores do povo de Israel (os egípcios), percebe-se que através da última, a morte dos primogênitos, há uma celebração inesquecível (Ex 12), onde os israelitas sacrificavam um animal puro no dia 14 do mês de Nizã (março-abril no nosso calendário aproximadamente). Com o sangue, como sinal nas casas por onde estavam, e a própria refeição ali proposta por Deus, houve uma poderosa demonstração da libertação para o povo mais amado do Antigo Testamento:
  Comerão a carne nesta mesma noite. Deverão comê-la assada ao fogo, com pães sem fermento e ervas amargas. Não deveis comer dessa carne nada de cru, cozido em água , mas assado ao fogo, inteiro, com cabeça, perna e vísceras. Não deixareis nada para o dia seguinte. O que sobrar, devereis queimá-lo no fogo.  Assim devereis comê-lo: com os cintos na cintura, os pés calçados, o cajado na mão; e comereis às pressas, pois é a Páscoa (isto é, passagem) do Senhor ”. Nesta noite eu passarei pela terra do Egito e matarei todos os primogênitos no país, tanto das pessoas como dos animais. Farei justiça contra todos os deuses do Egito- eu, o Senhor. O sangue servirá de sinal nas casas onde estiveres. Ao ver o sangue, passarei adiante, e não vos atingirá a praga exterminadora quando eu ferir a terra do Egito. Este dia será para vós um memorial em honra do Senhor, que haveis de celebrar por todas as gerações, como instituição perpétua”.
(Ex 12, 8-14)
     Esta celebração é chamada no Antigo Testamento de PÁSCOA como nos aponta o próprio versículo 11. Moisés foi capaz de fazer os israelitas alcançarem a terra prometida com a travessia do mar vermelho a pé enxuto e caminhada pelo deserto, sempre e prontamente, acompanhados pelo Senhor Deus, por ser um Deus loucamente apaixonado pelo seu povo.
Pergunta-se: será que não estamos também no deserto em que necessitamos da mão poderosa de Deus a nos arrancar deste mundo que só desagrada e entristece a Deus com os seus ídolos? Será que você também não está na escravidão do Egito da tua vida podre, velha e imunda e necessita da intervenção de Deus para ser liberto pelo sangue do Cordeiro à pisar na terra nova que é a promessa de restauração para você?   
2.    A Nova Páscoa: Jesus, o novo Moisés.
Na plenitude dos tempos, Deus enviou o seu filho unigênito para que ao morrer numa cruz de uma vez por todas, Jesus fosse capaz de ser o Cordeiro imolado e com o seu sangue derramado no madeiro, puro e sem mancha e mais precioso do que o ouro e a prata, perdoar os pecados de toda a humanidade.
Sabe-se que todo o Antigo Testamento preparou o novo e que Moisés foi uma prefiguração de Jesus Cristo. O evento do Êxodo, saída do povo de Israel do Egito para Canaã, tendo que passar a pé enxuto pelo mar vermelho, ou Páscoa, passagem, foi uma profecia e preparação para nós cristãos destes últimos dias, bem como sempre o foi para com todas as gerações de todos os tempos.
A nova travessia aconteceu de uma vez por todas para todos os homens e mulheres de todos os tempos e não foi mais pelo mar vermelho, a pé enxuto, e nem para com o povo de Israel. Não! O Novo Moisés foi capaz de subir à cruz, já que o antigo Moisés morreu em um monte e só pode contemplar a terra prometida, não podendo nem sequer pisá-la!
 A maior prova de amor foi o fato de Jesus Cristo ter feito a proeza de nos fazer passar a pé enxuto de uma vida velha de pecados que todos nós tínhamos para uma vida nova de homens que venham a buscar o alto quando na cruz o cajado do sangue de Jesus abriu o mar vermelho e abriu passagem para nós. Foi passagem!? Foi páscoa!? Saímos da escravidão do Egito chamado inferno e estamos peregrinando para a nova Canaã, que é o céu. Temos acesso a sala de Deus, e podemos um dia pisar na terra onde corre o leite e o mel da adoração e intimidade com Deus quando tivermos coragem de aceitar o senhorio de Jesus e de corpo, sangue e alma, esperarmos a sua Vinda gloriosa que não tardará como muitos pensam! Isso é quaresma na contemporaneidade!
3.    Quaresma como ponto de partida para busca de conversão e vida nova: Não devemos ter saudades do Egito se nós temos a promessa de morar em Canaã, a terra onde corre leite e mel.
É o que acontece com os católicos nos dias de hoje, bem como para todos os cristãos e não cristãos. Um desapego para com as coisas do alto por está aprisionado das coisas de baixo, aqui da terra que só levam para a perdição.
Nós católicos temos uma riquíssima catequese litúrgica que nos prepara para o evento mais importante do Cristianismo, que na verdade, é o motivo e razão do nosso viver (I Cor 15,14) e ser cristão: a Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, a nova Páscoa! E, no entanto, não sabemos aproveitá-la.
Esse período de preparação (quaresma) é para preparar-se mesmo. Sim: preparar-se, porque Jesus está voltando! Não é uma visita qualquer. É a visita do grande Deus e Senhor Jesus Cristo que ao preparar um lugar para nós voltará para nos buscar (Jo 14, 2-3). É o evento mais esperado por todas as pessoas de todos os tempos que pode nos pegar de surpresa caso não estejamos preparados. Quanto ao dia e hora não se sabe! Mas sabe-se que Ele virá!?
Existe até uma pregação que está sendo propagada por aí de que Jesus está demorando vir. Ora, se não se sabe que dia e hora Ele virá, como é que Jesus está demorando voltar? O mais honesto que se deve dizer é que Ele pode chegar a qualquer momento, seja daqui a mil anos ou mesmo antes que você termine de ler este artigo!?
A Igreja não brinca ao propor para os batizados com Espírito Santo que haja uma preparação para a páscoa, convencionalmente chamada de quaresma, através do jejum, oração e esmola, formas de sacrifício e penitência:
“A penitência interior do cristão pode ter expressões bem variadas. A Escritura e os padres insistem principalmente em três formas: o jejum, a oração e a esmola, que exprimem a conversão com relação a si mesmo, a Deus e aos outros. Ao lado da purificação radical operada pelo batismo ou pelo martírio, citam, como meio de obter o perdão dos pecados, os esforços empreendidos para reconciliar-se com o próximo as lágrimas de penitência, a preocupação com a salvação do próximo, a intercessão dos santos e a prática da caridade, “que cobre uma multidão de pecados” (1Pd 4,8)”.
[Catecismo da Igreja Católica, n. 1434]

 Olha que lindíssimo o que nos diz o Magistério da Igreja! Por que isso não se torna soneto ou poesia na literatura? Ou ao menos não se cria uma melodia para músicas cristãs já que ensina a Palavra de Deus uma vez que o mundo inteiro é burrificado (essa é de autoria do padre Evaldo!) com músicas imundas, mas que é lindificada pelas estruturas satânicas? Será que o nosso ouvido é pinico?
 Se nos é proposto que devemos jejuar, por que brincamos com a fartura de alimentos se o próprio Jesus nos diz que há espécie de demônios que só podem ser expulsos com jejum e oração e há irmãos que necessitam da nossa ajuda?
A oração é a vitamina da nossa alma e ponto de partida para ter intimidade com Deus.
O tempo de conversão e mudança de vida é no “agora!” e não no “depois!”. Santidade não combina com hipocrisia e para que se tenha vida nova deve-se clamar o poder e a presença do Espírito Santo que intercede a Deus por nós com gemidos inefáveis, por conhecer as intenções do coração humano e saber apresentá-las a Deus, já que humanamente não conseguimos (Rm 8, 26-27).
É importante saber aqui que “os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus” (Rm 8,8), e que “os que pertencem a Jesus Cristo crucificam a carne com suas paixões e desejos” (Gl 5,24), uma vez “os que são amigos do mundo são inimigos de Deus” (Tg 4,4), por que na verdade “não devemos nos conformar com este mundo” (Rm 12,2).
É tempo, e não podemos mais pensar diferente, de morrer para o mundo e viver para Deus. Alguém morreu por nós numa cruz: Jesus! Hoje é a nossa vez! Agora somos nós que temos que morrer para o mundo e viver para Deus! Que sejamos o oposto do que o mundo é na vivência da santidade, pois somos separados deste mundo (muito embora estando nele!) por sermos consagrados a Deus! Somos estrangeiros aqui na terra! E estrangeiro não deixa a sua cultura e idioma de mão para optar por outra. Por mais que viaje por aí e conheça muitas, não abre mão da sua, por ser original e inarrancável! A nossa cultura e o nosso idioma é do céu porque somos do alto e não aqui da terra.
Quem é da terra não pode vivenciar o que é do céu e quem é do céu deixa rastros do alto e da eternidade por onde anda! Foi assim com o papa João Paulo II: Todo o chão por onde pisou, aguarda a vinda gloriosa de Jesus!
E você? O que está esperando? Está preparado? Te verei por onde cruzarmos e se não nos cruzarmos, encontrar-nos-emos no céu cantando o hino dos santos: o Hosana nas alturas!
Deus te abençoe impactantemente. Paz e fogo do Espírito!
     
   
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página