Pesquisar neste blog:

sexta-feira, 29 de abril de 2011

FOI POR VOCÊ!




Por Cássio José
Membro da Renovação Carismática Católica
E da catequese

Foi a muito tempo atrás. Ele tornou-se homem e habitou entre nós: o rosto divino do homem e o rosto humano de Deus: Estou falando de Jesus de Nazaré! Ele tomou sobre os seus ombros os nossos sofrimentos. Hoje nós temos o direito de sermos livres do pecado, porque o seu sangue já foi derramado para que tenhamos vida nova. Temos então acesso sala do Trono de Deus!
As vezes achamos que estamos neste mundo sozinhos e que nas situações difíceis não há solução e nem vitória. Puro engano! As nossas derrotas podem ser vitórias em Deus que sabe o que é melhor para nós. Passamos por provas, dificuldades, situações complicadas, mas não esqueçamos de forma alguma que existe Alguém que está do nosso lado em todas as circunstâncias da nossa vida porque nos ama gratuitamente, e diante d’Ele não há cultura de merecimento. “Deus amou de tal maneira o mundo que entregou o seu filho único não para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por meio d’Ele: Jesus Cristo” (Jo 3,16).
Você que escuta essa mensagem, preste bem atenção:
Lembra das horas que pensou em desistir? Quando os teus sonhos e projetos estavam por um fio e você não teve mais perspectiva de vida? Teve momentos que as pessoas não te deram crédito e houve horas que você esteve sozinho a ponto de desejar não estar mais neste mundo. Neste momento, meu querido, Jesus estava sim do teu lado enxugando as lágrimas que desciam dos teus olhos e restituindo os sonhos que já estavam mortos! Ele sempre te diz: “Não tenhas medo!”
Quando tudo vai mal achamos que temos o direito de “jogar tudo pro ar”! Por quê?
Não desistamos! É hora de persistir! Está demorando? Louve a Deus e aguarde a hora certa. Estão dizendo que não vai dá certo? Não escute essas vozes e sim a Voz daqu’Ele que diz: Eu estou do teu lado! Já estão proferindo a tua derrota e te fazendo derramar lágrimas? Não tem problema! Derrame as lágrimas necessárias para regar a árvore dos sonhos que vem de Deus. Até mesmo chorando, nós acreditamos que o impossível acontecerá: “O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pelo amanhecer”! (Sl 30,6). Embora que as coisas não estejam bem, olhemos para Aquele que andou por sobre as águas e acalmou a tempestade!
Diferente do que andam pregando por aí, nós não estamos sós! Existe um Deus que realiza em nós maravilhas e não desiste de nós. Ele não aborta sonhos. Ele realiza o impossível de tornar os nossos sonhos realidade. E embora que as circunstâncias digam que não, ele vem em nosso favor para cumprir em nós a sua vontade!
Na cruz, Jesus derramou sangue puro e sem mancha em favor de nós para que hoje não fiquemos amarrados ao pecado e as trevas. Somos livres dos grilhões da nossa culpa e libertos da morte e do inferno. O Deus loucamente apaixonado por você tudo suportou. Carregou a tua cruz:
Ele foi traído, preso, blasfemado, foi levado em julgamento injustamente, cuspiram no seu rosto, foi negado, os soldados zombaram d’Ele quando o vestiram com um manto vermelho e após colocarem em sua cabeça uma coroa de espinhos e uma vara na sua mão direita chacotaram-no dizendo: salve o rei dos judeus! Eles ainda bateram em Jesus com a vara e o cuspiram. Passou por tudo isso por amor a você. Os cravos em suas mãos e o seu corpo a sofrer. Quanto amor!? E a multidão ainda zombava de Jesus de várias maneiras diferentes. Jesus em contrapartida, pediu ao Pai que os perdoassem. Devolveu o mal com o bem! Existe amor maior do que o d’Ele? Carregou a tua cruz: os pesos dos teus pecados estavam naquela cruz! Agora é a nossa vez: Ao lembrar que Alguém na cruz morreu por nós, é hora de morrermos para o mundo e vivermos para Deus!

terça-feira, 26 de abril de 2011

NOTA DE ESCLARECIMENTO!



Queridos irmãos bloguistas ou blogueiros (cada um se expressa conforme queira se identificar melhor!), sei que estou em falta com vocês. Geralmente os que me veem por aí me cobram das postagens de minha própria autoria que é de costume eu fazer. O fato é que temos que desdobrarmos o nosso tempo para darmos conta das nossas atividades que nos foram confiadas. Sendo assim, tentarei ir de encontro com as cobranças de vocês, mas peço a ajuda de vocês com orações e um pouco de paciência. Abraços a todos, Cássio José!

quinta-feira, 21 de abril de 2011

PAIXÃO DE CRISTO

Comercial com sugestão clara a Jesus desrespeita e causa polêmica na Itália.


 VEJA O VIDEO COMPLETO AQUI !!!!! E DEPOIS POSTE UM COMENTÁRIO DIZENDO O QUE VOCÊ PENSA!

A Igreja Católica criticou um anúncio veiculado na televisão italiana no qual um homem seminu e semelhante a Cristo tenta repelir os avanços sexuais de uma mulher com sobrepeso.
O anúncio é para fones de ouvido sem fio de uma empresa de telefonia móvel. Porém, não foi bem vista a decisão de mostrar justamente na época da Páscoa um homem amarrado a uma cama em uma pose que lembra Jesus na cruz .
A empresa Nodis exibiu a chamada no canal de televisão Italia 1, propriedade da Mediaset, empresa do primeiro-ministro Silvio Berlusconi. Imediatamente a Conferência dos Bispos Católicos da Itália se pronunciou. “É um conceito sórdido e incrivelmente ofensivo para aqueles que acreditam em Jesus Cristo”, disse um editorial do jornal católico Avvenire.
O editor do jornal, Marco Tarquinio, disse que o comercial nunca deveria ter sido feito e sugeriu que os católicos ofendidos com o anúncio deve parar de assistir ao canal e boicotar os produtos da empresa anunciante.
A Aiart, associação de telespectadores da televisão católica, fez um protesto formal sobre o comercial: “A referência a Cristo é explícita e profundamente ofensiva para o sentimento religioso”.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

PROCISSÃO DE BOM JESUS DOS PASSOS - SEXTA FEIRA 15.04.2011. MISSA, SEGUIDA DE PROCISSÃO.

Enviada por Disney por email

PROGRAMAÇÃO;
MISSA AS 16;00 HORAS

1 PASSO- CASA DA SENHORA TEREZINHA AGUIAR
2- PASSO-RESIDENCIA DO SR. FIRME
3 PASSO- SR. CHIQUINHO PASSOS
4- ENCONTRO DE NOSSA SENHORA DAS DORES COM O SEU FILHO JESUS- PRAÇA DO CORETO.
5 PASSO- RESIDENCIA- DA SR. MONICA
6 PASSO- CASA DA ROSINHA- OU MARIA INES ?
7-PASSO HELENA
ENCERRAMENTO MATRIZ.
 

ROTEIRO DE COSTUME.

domingo, 10 de abril de 2011

A Igreja “prefere que as pessoas peguem Aids” a usarem preservativo?

 

Jorge Ferraz
Respondendo a uma pergunta sobre a posição da Igreja Católica frente ao HIV/AIDS, considerada por alguns como irrealista e ineficiente, o Papa disse:
“É minha convicção acreditar que a presença mais importante no front da batalha contra o HIV/AIDS é de fato a Igreja Católica e Suas instituições. (…) O problema do HIV/AIDS não pode ser superado com meros slogans. Se a alma está deficiente [if the soul is lacking], se os africanos não se ajudam uns aos outros, o flagelo não pode ser resolvido pela distribuição de preservativos; bem pelo contrário, nós corremos o risco de agravarmos o problema. A solução só pode vir através de um duplo compromisso: em primeiro lugar, a humanização da sexualidade – em outras palavras, uma renovação espiritual e humana que traga uma nova maneira de agir para com o outro; e, em segundo lugar, uma amizade verdadeira, sobretudo para com os que sofrem, uma prontidão – mesmo que seja através de sacrifício pessoal – para sustentar [to stand by] aqueles que sofrem”.
[Vatican Information Service]

É bem sabido que a Igreja se opõe ao uso da camisinha; não – como dizem alguns expoentes da ignorância coletiva – porque “prefere que as pesssoas peguem aids do que usem camisinha”, mas exatamente ao contrário: porque Ela sabe que não se pode combater a AIDS sem que se combata primeiro a promiscuidade. Ela sabe que não existem receitas miraculosas, nem panacéias universais para que vivamos em uma Terra sem males. Ela sabe que a insistência em um erro não pode produzir senão erros ainda maiores.
A Igreja – como disse o Papa – é a presença mais importante no front do combate contra a AIDS. E eu diria ainda mais: é a Única que não atrapalha. A Única que vai ao cerne do problema. O Papa afirma claramente que a mera distribuição de preservativos pode até mesmo agravar o problema da AIDS; por tocar na ferida do ídolo moderno, é atacado com violência (tanto que até mesmo o porta-voz da Santa Sé teve que se manifestar). Ao redor do mundo, a França disse que os comentários do Papa são “uma ameaça” e o “representante no Brasil do órgão das Nações Unidas para o combate à doença (Unaids), Pedro Chequer”, chegou a chamar o discurso do Papa de “genocida”. Permanecem, contudo, no mero jogo de palavras; a posição da Igreja – contra a qual se levantam furibundos todos os Seus inimigos – dá resultados.
Por exemplo, na Uganda, a política “ABC” de combate à AIDS (primeiro, Abstinence; depois, Be faithful e só por fim Condom – a ênfase é dada na abstinência, na fidelidade, e só em último lugar na camisinha) é a única no mundo que tem trazido resultados significativos no combate à AIDS.
Por exemplo, em Washington, o embaixador da Suazilândia incentiva a abstinência na luta contra a AIDS. Olhando para as políticas eficazes da Uganda, a Suazilândia também resolveu aplicá-las e, por isso, para a AIDS, “o contágio de pessoas infectadas caiu de 42,6 por cento em 2004 para 39, 2 por cento este ano”.
Por exemplo, o Population Research Institute, da Universidade Estadual da Pensilvânia, afirmou que “a Igreja Católica desempenha um papel essencial na contenção da epidemia de AIDS na África”. Vale citar:
A Tailândia tem aproximadamente sessenta milhões de habitantes. Lá existem fortes programas divulgados para o uso de preservativos. Em agosto de 2003 existiam no país quase 900.000 pacientes registrados com AIDS e, aproximadamente, 125.000 óbitos por AIDS.Em 1991, a Organização Mundial de Saúde previu para esse intervalo de tempo cerca de 60 a 80.000 casos registrados de AIDs.
Essa cifra se contrapõe aos filipinos católicos com setenta milhões de habitantes. Entre os filipinos quase não existe propaganda de preservativos.Em 30 de setembro de 2003 havia naquele país exatamente 1.946 pacientes com AIDS e 260 mortes por AIDS. Essa é uma fração dos 80 a 90.000 casos, os quais a Organização de Saúde havia previsto para as Filipinas no ano 2000.
De onde se vê que a Moral Católica não é uma coisa “irreal” e “ineficiente”. Irreal é esperar que coisas boas advenham de comportamentos morais desregrados. Ineficiente é combater a AIDS incentivando a promiscuidade. Irresponsáveis são os lunáticos irracionais que têm verdadeira fé na salvação do gênero humano pela borracha.
Em defesa das vítimas da AIDS, no entanto, existe a Igreja Católica; e, independente dos ataques que Ela sofra, vai continuar a oferecer auxílio aos que sofrem. Mais uma vez, os fatos mostram que Ela está correta; e o próprio estrebuchar dos Seus inimigos revela-o de modo insofismável.

* Prostituição disfarçada em site de relacionamento?



Quanto você pagaria por um primeiro encontro com alguém? Esta é a pergunta que faz o WhatsYourPrice.com, um novo site de relacionamentos que promove encontros baseado no valor que se está disposto a pagar(ou receber) para sair com o outro.

Quer pagar quanto? Site promove primeiro encontro baseado no preço que se está disposto a pagar.
Em vez de buscar elementos compatíveis entre os seus usuários, o  site pede que se preencham os formulários de sempre. Nesse mesmo formulário, porém, as mulheres precisam dizer quanto dinheiro aceitariam para sair às cegas com alguém.

Os homens que usam o site podem consultar os perfis e fazer uma oferta para sair com a pessoa desejada, que pode recusar, aceitar ou pedir um valor diferente.

Para aqueles que veem nesse processo um indício de prostituição, os responsáveis pelo site se defendem dizendo que apenas promovem um primeiro encontro e que a princípio, o propósito do site não envolve sexo – ainda que exista a chance dele ocorrer no futuro. E usam como argumento o fato de que várias ações de caridade envolviam o leilão por um jantar ou um encontro casual com alguém famoso.

CD "EM SANTIDADE" do ministério Adoraçã e Vida: DECIDIDAMENTE! Eita Deus poderoso!

EM SANTIDADE: Novo Cd do Adoração e Vida! Confira

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Massacre em Escola: Até onde a corrida pela audiência estimula novas tragédias?

Massacre em Escola: Até onde a corrida pela audiência estimula novas tragédias?



Helena Sthephanowitz
A tragédia de Realengo é algo tão insano, que exige reflexão sobre a cobertura na forma de espetáculo que vemos na TV, nos portais da imprensa corporativa.
A alma do negócio, no jornalismo televisivo, é falar e exibir. O silêncio, a reflexão, a sobriedade, derruba a audiência, quando no calor dos acontecimentos o telespectador, de boa-fé, busca respostas e explicações lógicas para algo tão insensato.
Mas qual o papel da mídia? Que mensagem deve passar, senão a verdade factual e os valores que interessam à própria sociedade para que isso não se repita?
É claro que a informação factual é necessária. O quê aconteceu, quando, onde, por que, e até informar como ajudar e como não atrapalhar os serviços de socorro. Só que isso, objetivamente, só rende poucos minutos de notícia no dia. Então enchem a programação com especulações de “especialistas” e biografia do psicótico, transformando-o numa celebridade.
Mas cabe fazer do psicótico (que também foi vítima da própria loucura), uma celebridade? Quando se sabe que o “prêmio” buscado por outros psicóticos é o exibicionismo da pior maneira, cometendo atos bárbaros e impactantes como este?
Cabe a “corrida do ouro” de levar ao ar toda e qualquer informação inócua garimpada sobre a biografia do psicótico, sem pensar que insanos como este, são motivados, muitas vezes, também para aparecer nos holofotes da mídia?
Cabe ficar o dia inteiro reunindo “especialistas” para especular num caso destes, em intermináveis testes de hipóteses inócuos, apenas para o telespectador não mudar de canal?
Cabe especular com sensacionalismo sobre fundamentalismo religioso, demonizando religiões? Não seria mais ético e útil para a sociedade explicar que não existe religião nenhuma no mundo que pregue, nem justifique um ato destes?
Não seria melhor levar ao ar reflexões sobre o culto do individualismo neoliberal em detrimento de organizações sociais coletivas, onde uns cuidariam dos outros, evitando que os demônios internos de cada um se aflorassem, na solidão e isolamento?
O individualismo está tão encrustado na cabeça dos colunistas, que imediatamente pensam em mirabolantes detectores de metais na portaria das escolas, como se um louco obsessivo não fosse capaz de pular o muro dos fundos, ou simplesmente esperar do lado de fora para atirar na hora da saída.
Além disso, escola não é banco. Escola tem que ensinar matemática, português, mas tem também que ser ambiente propício a formar cidadãos éticos com o próximo, solidários, respeitosos com os mais fracos e com as minorias, conscientes de seus direitos e deveres, conscientes de que devem andar desarmados, independente de detectores de metais. Conscientes de que devem resolver conflitos com diálogo, com civilidade, e não pela violência.
O pior é que os colunistas que cultuam o individualismo e reclamam por caríssimos sistemas de segurança com detectores de metais e seguranças armados, são os mesmos que pregam cortes de impostos onde não se pode cortar.
Em vez de gastar dinheiro com cada vez mais equipamentos de segurança e armas, melhor gastar na formação cidadã: investir no professor, no aluno e na família do aluno (sobretudo na mãe).
Não cabe censura à imprensa, mas cabe repúdio aos péssimos valores que a imprensa passa, na corrida pela audiência e pelo lobby das elites arcaicas que são os barões da mídia. Nas concessões públicas de rádio e TV, a sociedade tem o direito de conceder para uso ético, para a construção da sociedade que queremos, e não para a mera corrida comercial pela audiência a qualquer preço, inclusive incentivando indiretamente futuras tragédias como essas, quando mostradas como se fosse um reality show.

terça-feira, 5 de abril de 2011

HORA DO RISO: ASSISTENTE SOCIAL NO INFERNO

Uma Assistente Social desceu os portões do inferno e foi admitida.
Mal havia chegado já estava insatisfeita com o baixo nível de higiene e de saúde das pessoas no inferno. Logo começou a fazer projetos e várias ações para coibir aquele caos. Pouco tempo depois já não havia no inferno o insuportável mau hálito nas pessoas.

Ninguém mais reclamava de dores e mal estar, os banheiros tinham higiene e sala de repouso e, por conseguinte, estavam mais limpos e cheirosos.
As pessoas eram orientadas sobre hábitos de vida e prevenção de doenças. Eram acompanhadas através de análises diárias e com controle de satisfação e exames físicos.
A Assistente Social era muito popular por lá.

Um dia, São Pedro chamou o diabo ao telefone e perguntou, ironicamente:
- E então, como estão as coisas aí embaixo?
E o diabo respondeu:

- Uma maravilha! Agora aqui todos se beijam, sorriem uns aos outros, não existem doentes, queixosos, as pessoas estão mais felizes... se alimentando melhor... Isso sem falar no que a nossa Assistente Social está planejando para breve!
Do outro lado da linha, surpreso, São Pedro exclamou:
-O quê ?! Vocês têm uma Assistente Social aí ? Isso foi um engano!
Assistentes Sociais nunca vão para o inferno. Mande-a subir aqui,imediatamente!

O diabo respondeu: 
- Sem possibilidade! Eu gostei de ter uma A.S. e continuarei mantendo-a aqui.
São Pedro, já mais irritado, fala em tom de ameaça:
- Mande-a para cá agora, ou tomarei as medidas legais necessárias.
Eis que o diabo soltou uma gargalhada:
- Hahahaha! Onde você vai arrumar um Advogado? Estão todos aqui...

Assistente Social dá jeito até no inferno! 
 

10 razões pelas quais o “casamento” homossexual não é aceito pela fé cristã.



1. O “casamento” homossexual não é casamento
Chamar algo de casamento não faz disso um casamento. O casamento sempre foi uma aliança entre um homem e uma mulher, ordenada por sua natureza à procriação e educação dos filhos, assim como à unidade e bem-estar dos cônjuges.
Os promotores do “casamento” homossexual propõem algo completamente diferente. Eles propõem a união entre dois homens ou duas mulheres. Isso nega as evidentes diferenças biológicas, fisiológicas e psicológicas entre homens e mulheres, que encontram a sua complementaridade no casamento. Nega também a finalidade primária específica do casamento: a perpetuação da raça humana e a educação dos filhos.
Duas coisas completamente diferentes não podem ser consideradas a mesma coisa.
2. O “casamento” homossexual viola a Lei Natural
Casamento não é apenas qualquer relacionamento entre seres humanos. É uma relação enraizada na natureza humana e, portanto, regida pela lei natural.
O preceito mais elementar da lei natural é que “o bem deve ser feito e buscado e o mal deve ser evitado”. Pela razão natural, o homem pode perceber o que é moralmente bom ou mau. Assim, ele pode conhecer o objetivo ou finalidade de cada um de seus atos e como é moralmente errado transformar os meios que o ajudam a realizar um ato em finalidade do ato.
Qualquer situação que institucionalize a  defraudação da finalidade do ato sexual viola a lei natural e a norma objetiva da moralidade.
Estando enraizada na natureza humana, a lei natural é universal e imutável. Ela se aplica da mesma forma a toda a raça humana. Ela manda e proíbe de forma consistente, em todos os lugares e sempre. São Paulo, na Epístola aos Romanos, ensina que a lei natural está inscrita no coração de todo homem (Rom 2,14-15).
3. O “casamento” homossexual sempre nega à criança ou um pai ou uma mãe
O melhor para a criança é crescer sob a influência de seu pai natural e sua mãe natural. Esta regra é confirmada pelas evidentes dificuldades enfrentadas por muitas crianças órfãs ou criadas por só um dos genitores, um parente, ou pais adotivos.
A lamentável situação dessas crianças será a norma para todos os “filhos” de “casais” homossexuais. Esses “filhos” serão sempre privados ou de sua mãe natural ou de seu pai natural. Serão criados, necessariamente, por uma parte que não tem nenhuma relação de sangue com eles. Vão ser sempre privados de um modelo paterno ou materno.
O chamado “casamento” homossexual ignora os interesses da criança.
4. O “casamento” homossexual  valida e promove o estilo de vida homossexual

Em nome da “família”, o “casamento” homossexual serve para validar não só as referidas uniões, mas todo o estilo de vida homossexual em todas as suas variantes, bissexuais e transgêneros.
As leis civis são princípios que estruturam a vida do homem na sociedade. Como tais, elas desempenham um papel muito importante, e por vezes decisivo, que influenciam os padrões de pensamento e comportamento. Elas configuram externamente a vida da sociedade, mas também modificam profundamente a percepção de todos e a avaliação de formas de comportamento.
O reconhecimento legal do “casamento” homossexual necessariamente obscurece certos valores morais básicos, desvaloriza o casamento tradicional e enfraquece a moralidade pública.
5. O “casamento” homossexual transforma um erro moral num Direito Civil
Os ativistas homossexuais afirmam que o “casamento” homossexual é uma questão de direitos civis, semelhante à luta pela igualdade racial nos anos 1960 nos Estados Unidos, por exemplo.
Isso é falso.
Primeiro de tudo, comportamento sexual e raça são  realidades essencialmente diferentes. Um homem e uma mulher querendo casar-se podem ser diferentes em suas características: um pode ser preto, o outro branco; um rico e o outro pobre; ou um alto e o outro baixo. Nenhuma dessas diferenças são obstáculos insuperáveis para o casamento. Os dois indivíduos são ainda um homem e uma mulher e, portanto, as exigências da natureza são respeitadas.
O “casamento” homossexual se opõe à natureza. Duas pessoas do mesmo sexo, independentemente da sua raça, riqueza, estatura, erudição ou fama, nunca serão capazes de se casar por causa de uma insuperável impossibilidade biológica.
Em segundo lugar, características raciais herdadas e imutáveis não podem ser comparadas com comportamentos não-genéticos e mutáveis. Simplesmente, não há analogia entre o casamento inter-racial de um homem e uma mulher e o “casamento” entre duas pessoas do mesmo sexo.
6. O “casamento” homossexual não cria uma família, mas uma união naturalmente estéril
O casamento tradicional é geralmente tão fecundo, que aqueles que querem frustrar o seu fim tem de fazer violência à natureza para impedir o nascimento de crianças, usando a contracepção. Ele tende, naturalmente, a criar famílias.
Pelo contrário, o “casamento” homossexual é intrinsecamente estéril. Se os “cônjuges” querem ter um “filho”, eles devem contornar a natureza por meios caros e artificiais ou empregar maternidade de substituição [“mães de aluguel”]. A tendência natural de tal união não é criar famílias.
Portanto, não podemos chamar de casamento a união de pessoas do mesmo sexo e dar-lhe os benefícios do casamento verdadeiro.
7. O “casamento” homossexual desvirtua a razão pela qual o Estado beneficia o casamento

Uma das principais razões pelas quais o Estado confere inúmeros benefícios ao casamento é que, por sua própria natureza e desígnio, o casamento proporciona as condições normais de uma atmosfera estável, afetuosa, e moral, que é benéfica para a educação dos filhos, frutos do mútuo afeto dos pais. Ele ajuda a perpetuar a nação e fortalecer a sociedade, o que é um evidente interesse do Estado.
O “casamento” homossexual não fornece essas condições. Seu desígnio principal, objetivamente falando, é a gratificação pessoal de duas pessoas, cuja união é estéril por natureza. Não tem direito, portanto, à proteção que o Estado concede ao casamento verdadeiro.
8. O “casamento” homossexual impõe a sua aceitação por toda a sociedade
Ao legalizar o “casamento” homossexual, o Estado se torna o seu promotor oficial e ativo. O Estado exige que os servidores públicos celebrem a nova cerimônia civil, ordena as escolas públicas a ensinarem sua aceitação pelas crianças, e pune qualquer funcionário que manifeste sua desaprovação.
Na esfera privada, pais contrariados vão ver seus filhos expostos mais do que nunca a esta nova “moralidade”; as empresas que oferecem serviços de casamento serão obrigadas a fornecê-los a uniões de pessoas do mesmo sexo; e proprietários de imóveis terão de concordar em aceitar “casais” homossexuais como inquilinos.
Em todas as situações em que o casamento afete a sociedade, o Estado vai esperar que os cristãos e todas as pessoas de boa vontade traiam suas consciências, coonestando, por silêncio ou ação, um ataque à ordem natural e à moral cristã.
9. O “casamento” homossexual é a vanguarda da revolução sexual

Na década de 1960, a sociedade foi pressionada para aceitar todos os tipos de relações sexuais imorais entre homens e mulheres. Hoje estamos presenciando uma nova revolução sexual, na qual a sociedade está sendo convidada a aceitar a sodomia e o “casamento” homossexual.
Se o “casamento” homossexual for universalmente aceito como a etapa presente da “liberdade” sexual, que argumentos lógicos podem ser usados para parar as próximas etapas, do incesto, pedofilia, bestialidade e outras formas de comportamento antinatural? Com efeito, os elementos radicais de certas subculturas de vanguarda já estão defendendo essas aberrações.
A insistência na imposição do “casamento” homossexual ao povo norte-americano torna cada vez mais claro que o ativista homossexual Paul Varnell escreveu no “Chicago Free Press”:
“O movimento gay, quer o admitamos ou não, não é um movimento de direitos civis, nem mesmo um movimento de libertação sexual, mas uma revolução moral destinada a mudar a visão das pessoas sobre a homossexualidade.”
10. O “casamento” homossexual ofende a Deus
Esta é a razão mais importante. Sempre que se viola a ordem moral natural estabelecida por Deus, comete-se um pecado e se ofende a Deus. O “casamento” homossexual faz exatamente isso. Assim, quem professa amar a Deus deve opor-se a ele.
O casamento não é criação de nenhum Estado. Pelo contrário, ele foi estabelecido por Deus no paraíso para os nossos primeiros pais, Adão e Eva. Como lemos no Livro do Gênesis: “Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher. Deus os abençoou: Frutificai, disse ele, e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a” (Gen 1, 27-28).
O mesmo foi ensinado por Nosso Senhor Jesus Cristo: “No princípio da criação, Deus os fez homem e mulher. Por isso, deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher” (Mc 10, 6-7).
Uma posição de princípios, não pessoal
Ao escrever esta declaração, não temos qualquer intenção de difamar ou menosprezar ninguém. Não somos movidos pelo ódio pessoal contra nenhum indivíduo. Ao nos opormos intelectualmente a indivíduos ou organizações que promovem a agenda homossexual, nosso único objetivo é  defender o casamento tradicional, a família, e os preciosos restos da civilização cristã.
Como católicos praticantes, estamos cheios de compaixão e rezamos por aqueles que lutam contra a tentação implacável e violenta do pecado do comportamento homossexual. Rezamos por aqueles que caem no pecado homossexual por causa da fraqueza humana: que Deus os ajude com Sua graça.
Estamos conscientes da enorme diferença entre essas pessoas que lutam com suas fraquezas e se esforçam por superá-las, e outros que transformam seus pecados em motivo de orgulho e tentam impor seu estilo de vida à sociedade como um todo, em flagrante oposição à moralidade cristã tradicional e à lei natural. No entanto, rezamos por eles também.
Rezamos também pelos juízes, legisladores e funcionários do governo que, de uma forma ou de outra, tomam medidas que favorecem a homossexualidade e o “casamento” homossexual. Não julgamos suas intenções, disposições interiores, ou motivações pessoais.
Rejeitamos e condenamos qualquer forma de violência. Simplesmente exercitamos a nossa liberdade de filhos de Deus (Rom 8:21) e nossos direitos constitucionais à liberdade de expressão e à manifestação pública, de forma aberta, sem desculpas ou vergonha da nossa fé católica. Nos opomos a argumentos com argumentos. Aos argumentos a favor da homossexualidade e do “casamento” entre pessoas do mesmo sexo, respondemos com argumentos baseados na reta razão, na lei natural e na Divina Revelação.
Em uma declaração polêmica como esta, é possível que uma ou outra formulação possa parecer excessiva ou irônica. Essa não é a nossa intenção.
Original inglês:

10 Reasons Why Homosexual “Marriage” is Harmful and Must be Opposed

Disponível em

PEDAGOGIA DA LÁGRIMA!



Sei que na nossa vida não há apenas vitórias. Acontecem fracassos e derrotas, além de muitas decepções. Mas não podemos pensar que as nossas lágrimas descem a toa. Não! É natural do ser humano chorar. O próprio Jesus chorou quando Lázaro morreu e quando chegou a Jerusalém e viu a maldade que os homens fizeram para com os profetas de Deus no Antigo Testamento. Antes de sua paixão, chorou lágrimas de sangue no Monte das Oliveiras e foi consolado por um anjo.
Podemos sim chorar. Derramar as nossas lágrimas. Berrar. Expor os nossos gemidos inexprimíveis. Mas, diante de Deus que conhece as intenções do nosso coração e lê o nosso olhar com nossas lágrimas que falam mais que palavras. Às vezes os problemas e dificuldades chegam, as lágrimas começam a descer dos nossos olhos e o desespero começa a agir. Mas, não há do que temer! O que importa é que podemos aprender com as aflições e sermos melhores. Há um Deus que não está distante de nós: Ele enxuga as nossas lágrimas e segura firme na nossa mão. Então podemos levantar, seguir em frente e sermos vitoriosos. Não nascemos para perder. As nossas derrotas podem ser vitórias em Deus, que sabe o que é melhor para nós. Quando afirmei que “não nascemos para perder” não me referi do nosso ponto de vista, mas do desejo e carinho que Deus tem para conosco. Não vale a pena desistir! Não vale a pena ficar triste! Mas chorar diante de Deus é a poesia que ainda não foi escrita e o soneto que ainda não foi declamado! Quando não temos mais pernas para andar, Ele nos dá asas para voar bem alto e lá no alto, os nossos olhos contemplam a vitória que Deus tem para nós e que já está a caminho.
As lágrimas dos filhos de Deus não escorrem pelo rosto e caem no chão. Não! Elas são preciosas e valiosas demais. O ouro e a prata nem sequer chegam próximos do valor que elas têm. Até por que, o ouro e a prata podem ser roubados, mas as nossas lágrimas não, pois elas são enxugadas pelo Deus que nos consola por nos amar! Na verdade, quando choramos, Deus envia um anjo para acolher essas lágrimas e ao chegar aos céus, Deus as aguarda no seu trono. Elas sobem em destino ao trono de Deus! Lá, Deus começa a ler de uma por uma. Não é perca de tempo para Deus, porque Ele nos ama incondicionalmente e tem saudade de nós.
Quanto ao hábito de chorarmos, a questão não é o fato de derramarmos lágrimas. A questão não é berrarmos muito e pensarmos que somos infantis. Não! A questão, é ter quem as enxugue! E Esse é Deus: Aquele que criou os céus, a terra e o mar, e tudo o que neles existe, é capaz de enxugar as nossas lágrimas e lê-las de uma por uma. Sabe por que Deus tem a capacidade de ler as nossas lágrimas e nos entender? Por que o nosso Deus tornou-se homem e quando esteve nesta terra, em várias circunstâncias derramou lágrimas. Ele teve a experiência do que Ele mesmo fez para os seres humanos: as lágrimas e gemidos.
Há vários tipos de lágrimas e motivos pelas quais elas descem dos nossos olhos. Existem lágrimas que curam, há aquelas que nos santificam, existem lágrimas que são clamores, há aquelas que são louvores, existem lágrimas que profetizam, há lágrimas que revogam maldições, também têm lágrimas que são expressão das decepções das pessoas das quais mais amamos, existem lágrimas que são de felicidade, há lágrimas que são de esperança, há aquelas de temor, há também lágrimas de saudade e dor... Mas só há um médico que pode diagnosticar as nossas lágrimas e medicá-las corretamente: É o Senhor Jesus, o médico das lágrimas.
Se choramos não é por que somos fracos, mas por que amamos. Afinal de contas, quem tem o direito de criticar aquele que chora, se as orações mais lindas e sinceras partem das nossas lágrimas, manancial de pedidos derramados, que muitas vezes nossa voz não tem a coragem de clamar? Mas o que importa é que o nosso Deus nos entende e nunca nos decepciona! Por Ele sim, podemos lutar, não desistir, sermos maltratados pelas pessoas deste mundo por sua causa, esperar, confiar ao extremo, amar seguramente com perseverança pelo que Ele é e não pelo que Ele faz, e projetar um futuro com o Senhor: esperar a sua volta gloriosa que nos arrancará deste vale de lágrimas para um ambiente eterno e um lindo paraíso: o céu! Um dia as nossas lágrimas cessarão e delas não teremos saudade e nem haverá lembrança. Os céus e a terra passarão, juntamente com as lágrimas. Mas o amor de Deus por nós é eterno, jamais passará! O que está então esperando? Acolha Jesus na tua vida e no teu coração!
Cássio José: cassiouab@hotmail.com                      

QUARESMA NA CONTEMPORANEIDADE?



Uma introdutória reflexão que se pode fazer ao se falar de Quaresma, é o fato de se questionar: Existe realmente preparação para a festa mais importante do Cristianismo, a Páscoa, no que diz respeito à vivência quaresmal, ou é simplesmente mais “um empurrar liturgicamente” (ao que parece é o mais provável!), para os católicos nesse período denominado Quaresma?
Quero de antemão, antes que seja mal interpretado, deixar muito claro que não é objetivo meu criar rixas para com a minha Igreja, a Católica Apostólica Romana e nem para com os seus membros! Eu a amo e tenho plena convicção de que é a Igreja que foi fundada por Jesus de Nazaré, apesar de que “Desde a primeira evangelização até os tempos recentes, a Igreja tem experimentado luzes e sombras”. [Documento de Aparecida, Introdução, n. 4]
Não é necessário ter Teologia ou formação em Liturgia para perceber que a quaresma nesta época dos últimos dias não passa de mais um tempo empurrado pela barriga, ops!?, pela liturgia. Primeiramente pelo simples fato de que uma paróquia ou movimento/ pastoral é reflexo do líder religioso ou de seu trabalho ali desempenhado. Segundamente, pelo fato de os cristãos mesmo estando mais empenhados na vida missionária da Igreja e praticarem a leitura bíblica e estudos no âmbito religioso, são desassistidos pelos líderes da Igreja Católica. Estes,  necessitam mais do que nunca retornarem ao cenáculo de Pentecostes.
Entretanto, claro!, é inquestionável o fato de que por estarmos em tempos muito modernos e com tecnologia de ponta e altamente avançada, os homens dessa era têm desempenhado mais os desejos materiais do que os espirituais; muito embora, a Palavra de Deus nos alerte “que devemos buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça” (Mt 6,33), com o propósito de “buscar as coisas do alto e cuidar das coisas celestiais e não do que é da terra” (Cl 3,1), uma vez que “os tesouros aqui da terra podem ser roubados por ladrões e danificados pela ferrugem e pela traça”(Mt 6,19). 
1.    Quaresma, pressupostos:
Liturgicamente, a quaresma é um profundo momento de intimidade com Deus e com os irmãos, em que através do jejum, oração e caridade fraterna, há uma tentativa de preparação para a Páscoa. É o famoso ensinamento dos três âmbitos de relacionamentos: Com Deus, com os irmãos e para consigo mesmo.
No Antigo Testamento os israelitas estavam peregrinando pelo deserto direcionados por Deus, através de Moisés, à terra onde corre leite e mel, Canaã na Palestina. Claro que em quarenta anos muita coisa aconteceu: lutas para com alguns povos inimigos em que a vitória foi sempre do povo de Israel, a Aliança para com Deus no monte Horeb ou Sinai, em que “Deus tornou-se Deus para os israelitas e eles tornaram-se povo de Deus”, o Maná sendo alimento para os israelitas e muita murmuração desse povo ingrato em que apesar de contemplarem com os próprios olhos as maravilhas de Deus, sempre reclamavam porque tinham saudades da vida de escravidão no Egito...
No episódio em que as dez pragas eram derramadas sobre os opressores do povo de Israel (os egípcios), percebe-se que através da última, a morte dos primogênitos, há uma celebração inesquecível (Ex 12), onde os israelitas sacrificavam um animal puro no dia 14 do mês de Nizã (março-abril no nosso calendário aproximadamente). Com o sangue, como sinal nas casas por onde estavam, e a própria refeição ali proposta por Deus, houve uma poderosa demonstração da libertação para o povo mais amado do Antigo Testamento:
  Comerão a carne nesta mesma noite. Deverão comê-la assada ao fogo, com pães sem fermento e ervas amargas. Não deveis comer dessa carne nada de cru, cozido em água , mas assado ao fogo, inteiro, com cabeça, perna e vísceras. Não deixareis nada para o dia seguinte. O que sobrar, devereis queimá-lo no fogo.  Assim devereis comê-lo: com os cintos na cintura, os pés calçados, o cajado na mão; e comereis às pressas, pois é a Páscoa (isto é, passagem) do Senhor ”. Nesta noite eu passarei pela terra do Egito e matarei todos os primogênitos no país, tanto das pessoas como dos animais. Farei justiça contra todos os deuses do Egito- eu, o Senhor. O sangue servirá de sinal nas casas onde estiveres. Ao ver o sangue, passarei adiante, e não vos atingirá a praga exterminadora quando eu ferir a terra do Egito. Este dia será para vós um memorial em honra do Senhor, que haveis de celebrar por todas as gerações, como instituição perpétua”.
(Ex 12, 8-14)
     Esta celebração é chamada no Antigo Testamento de PÁSCOA como nos aponta o próprio versículo 11. Moisés foi capaz de fazer os israelitas alcançarem a terra prometida com a travessia do mar vermelho a pé enxuto e caminhada pelo deserto, sempre e prontamente, acompanhados pelo Senhor Deus, por ser um Deus loucamente apaixonado pelo seu povo.
Pergunta-se: será que não estamos também no deserto em que necessitamos da mão poderosa de Deus a nos arrancar deste mundo que só desagrada e entristece a Deus com os seus ídolos? Será que você também não está na escravidão do Egito da tua vida podre, velha e imunda e necessita da intervenção de Deus para ser liberto pelo sangue do Cordeiro à pisar na terra nova que é a promessa de restauração para você?   
2.    A Nova Páscoa: Jesus, o novo Moisés.
Na plenitude dos tempos, Deus enviou o seu filho unigênito para que ao morrer numa cruz de uma vez por todas, Jesus fosse capaz de ser o Cordeiro imolado e com o seu sangue derramado no madeiro, puro e sem mancha e mais precioso do que o ouro e a prata, perdoar os pecados de toda a humanidade.
Sabe-se que todo o Antigo Testamento preparou o novo e que Moisés foi uma prefiguração de Jesus Cristo. O evento do Êxodo, saída do povo de Israel do Egito para Canaã, tendo que passar a pé enxuto pelo mar vermelho, ou Páscoa, passagem, foi uma profecia e preparação para nós cristãos destes últimos dias, bem como sempre o foi para com todas as gerações de todos os tempos.
A nova travessia aconteceu de uma vez por todas para todos os homens e mulheres de todos os tempos e não foi mais pelo mar vermelho, a pé enxuto, e nem para com o povo de Israel. Não! O Novo Moisés foi capaz de subir à cruz, já que o antigo Moisés morreu em um monte e só pode contemplar a terra prometida, não podendo nem sequer pisá-la!
 A maior prova de amor foi o fato de Jesus Cristo ter feito a proeza de nos fazer passar a pé enxuto de uma vida velha de pecados que todos nós tínhamos para uma vida nova de homens que venham a buscar o alto quando na cruz o cajado do sangue de Jesus abriu o mar vermelho e abriu passagem para nós. Foi passagem!? Foi páscoa!? Saímos da escravidão do Egito chamado inferno e estamos peregrinando para a nova Canaã, que é o céu. Temos acesso a sala de Deus, e podemos um dia pisar na terra onde corre o leite e o mel da adoração e intimidade com Deus quando tivermos coragem de aceitar o senhorio de Jesus e de corpo, sangue e alma, esperarmos a sua Vinda gloriosa que não tardará como muitos pensam! Isso é quaresma na contemporaneidade!
3.    Quaresma como ponto de partida para busca de conversão e vida nova: Não devemos ter saudades do Egito se nós temos a promessa de morar em Canaã, a terra onde corre leite e mel.
É o que acontece com os católicos nos dias de hoje, bem como para todos os cristãos e não cristãos. Um desapego para com as coisas do alto por está aprisionado das coisas de baixo, aqui da terra que só levam para a perdição.
Nós católicos temos uma riquíssima catequese litúrgica que nos prepara para o evento mais importante do Cristianismo, que na verdade, é o motivo e razão do nosso viver (I Cor 15,14) e ser cristão: a Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, a nova Páscoa! E, no entanto, não sabemos aproveitá-la.
Esse período de preparação (quaresma) é para preparar-se mesmo. Sim: preparar-se, porque Jesus está voltando! Não é uma visita qualquer. É a visita do grande Deus e Senhor Jesus Cristo que ao preparar um lugar para nós voltará para nos buscar (Jo 14, 2-3). É o evento mais esperado por todas as pessoas de todos os tempos que pode nos pegar de surpresa caso não estejamos preparados. Quanto ao dia e hora não se sabe! Mas sabe-se que Ele virá!?
Existe até uma pregação que está sendo propagada por aí de que Jesus está demorando vir. Ora, se não se sabe que dia e hora Ele virá, como é que Jesus está demorando voltar? O mais honesto que se deve dizer é que Ele pode chegar a qualquer momento, seja daqui a mil anos ou mesmo antes que você termine de ler este artigo!?
A Igreja não brinca ao propor para os batizados com Espírito Santo que haja uma preparação para a páscoa, convencionalmente chamada de quaresma, através do jejum, oração e esmola, formas de sacrifício e penitência:
“A penitência interior do cristão pode ter expressões bem variadas. A Escritura e os padres insistem principalmente em três formas: o jejum, a oração e a esmola, que exprimem a conversão com relação a si mesmo, a Deus e aos outros. Ao lado da purificação radical operada pelo batismo ou pelo martírio, citam, como meio de obter o perdão dos pecados, os esforços empreendidos para reconciliar-se com o próximo as lágrimas de penitência, a preocupação com a salvação do próximo, a intercessão dos santos e a prática da caridade, “que cobre uma multidão de pecados” (1Pd 4,8)”.
[Catecismo da Igreja Católica, n. 1434]

 Olha que lindíssimo o que nos diz o Magistério da Igreja! Por que isso não se torna soneto ou poesia na literatura? Ou ao menos não se cria uma melodia para músicas cristãs já que ensina a Palavra de Deus uma vez que o mundo inteiro é burrificado (essa é de autoria do padre Evaldo!) com músicas imundas, mas que é lindificada pelas estruturas satânicas? Será que o nosso ouvido é pinico?
 Se nos é proposto que devemos jejuar, por que brincamos com a fartura de alimentos se o próprio Jesus nos diz que há espécie de demônios que só podem ser expulsos com jejum e oração e há irmãos que necessitam da nossa ajuda?
A oração é a vitamina da nossa alma e ponto de partida para ter intimidade com Deus.
O tempo de conversão e mudança de vida é no “agora!” e não no “depois!”. Santidade não combina com hipocrisia e para que se tenha vida nova deve-se clamar o poder e a presença do Espírito Santo que intercede a Deus por nós com gemidos inefáveis, por conhecer as intenções do coração humano e saber apresentá-las a Deus, já que humanamente não conseguimos (Rm 8, 26-27).
É importante saber aqui que “os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus” (Rm 8,8), e que “os que pertencem a Jesus Cristo crucificam a carne com suas paixões e desejos” (Gl 5,24), uma vez “os que são amigos do mundo são inimigos de Deus” (Tg 4,4), por que na verdade “não devemos nos conformar com este mundo” (Rm 12,2).
É tempo, e não podemos mais pensar diferente, de morrer para o mundo e viver para Deus. Alguém morreu por nós numa cruz: Jesus! Hoje é a nossa vez! Agora somos nós que temos que morrer para o mundo e viver para Deus! Que sejamos o oposto do que o mundo é na vivência da santidade, pois somos separados deste mundo (muito embora estando nele!) por sermos consagrados a Deus! Somos estrangeiros aqui na terra! E estrangeiro não deixa a sua cultura e idioma de mão para optar por outra. Por mais que viaje por aí e conheça muitas, não abre mão da sua, por ser original e inarrancável! A nossa cultura e o nosso idioma é do céu porque somos do alto e não aqui da terra.
Quem é da terra não pode vivenciar o que é do céu e quem é do céu deixa rastros do alto e da eternidade por onde anda! Foi assim com o papa João Paulo II: Todo o chão por onde pisou, aguarda a vinda gloriosa de Jesus!
E você? O que está esperando? Está preparado? Te verei por onde cruzarmos e se não nos cruzarmos, encontrar-nos-emos no céu cantando o hino dos santos: o Hosana nas alturas!
Deus te abençoe impactantemente. Paz e fogo do Espírito!
     
   
   

Total de visualizações de página