Pesquisar neste blog:

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

A batalha é do Senhor!


Enquanto viveres, ninguém te poderá resistir; estarei contigo como estive com Moisés; não te abandonarei. Sê firme e corajoso, porque tu hás de introduzir esse povo na posse da terra que jurei a seus pais dar-lhes. Tem ânimo, pois, e sê corajoso para cuidadosamente observares toa a lei que Moisés, meu servo, te prescreveu. Não te afastes dela nem para a direita e nem para a esquerda, para que sejas feliz em todas as tuas empresas. Traze sempre na boca as palavras deste livro da lei; medita-o dia e noite, cuidando de fazer tudo o que nele está escrito; assim prosperarás em teus caminhos e serás bem-sucedido. Isto é uma ordem: Sê firme e corajoso. Não te atemorizes, não tenhas medo, porque o Senhor está contigo em qualquer parte por onde fores”.
(Josué 1, 5-9)
A guerra que acontece entre a Igreja e as trevas é uma prerrogativa e permissão de Deus para que as almas sejam salvas por Jesus através de lutas diárias que enfrentamos com o Senhor e no Senhor: Ele deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade (I Tm 2,4) porque sabe que muitos se perdem por falta de conhecimento (Os 4,6). Nós, servos de Deus, não temos do que ficar em desespero, porque existe Alguém que tem visão ampla do combate e sabedora e conhecimento necessários das armas que temos que lutar e do Inimigo que enfrentamos. Essa guerra só acabará quando o Senhor Jesus voltar com glória, majestade e poder (Mt 25,1; Ap 1,7) na sua Parusia. Por isso, todos aqueles que perseverarem até o fim serão salvos (Mt 24, 13). E bem sabemos que a nossa luta é espiritual (Ef 6,12). Não é contra os homens de carne e sangue que temos de lutar e sim contra as trevas. Por tanto, as armas são também espirituais. O combate não é nosso. É do Senhor! É Ele quem combate por nós! 
 
Fomos escolhidos por Deus (Is 43,1; Jr 1,5) antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos (Ef 1,4) para fazermos parte de um numeroso exército de homens e mulheres cheios do poder do Espírito Santo (Ez 37, 1-14) e arrancados do mal. O selo de Deus, o Espírito Santo, foi impresso em nossa alma para nos fazer congregar o número daqueles que foram marcados na fronte e constituídos como servos de Deus (Ap 7, 3), a partir da experiência do batismo no Espírito Santo (At 2,4) e com fogo (Mt 3,11). Não podemos assim permitir que a coroa que nos foi dada nos seja roubada, pois Ele vem logo (Ap 3,11)!
Sendo a batalha do Senhor e estando Ele a lutar por nós, do que temer? É Ele quem providencia as armas necessárias para vencermos o gigante Golias. O nosso general tem nome e sobrenome: Jesus Cristo!
ELE É O SENHOR DOS EXÉRCITOS: O DEUS QUE NÃO CONHECE DERROTAS!
As Sagradas Escrituras nos revelam que até a data presente nunca houve derrota para o nosso Deus! Ele respira vitória para os seus servos já nesta terra, e nos faz contemplar com os nossos próprios olhos o desastre dos nossos inimigos sendo devastados ao chão como uma grande montanha que desaba levantando poeira e fazendo um barulho tremendo: Os nossos inimigos sempre passam vergonha, porque se meteram para com os consagrados do Senhor, os lavados e remidos pelo sangue do Cordeiro, os inscritos no livro da vida eterna, porque o céu é logo! E “quem se mete a besta contra os servos de Deus” sentirá o peso da mão DAQUELE que levou os egípcios a se afogarem no mar vermelho (Ex 17,16)!
No episódio da travessia do mar vermelho (Ex14-15), os egípcios com o faraó foram todos afogados como uma pedra no fundo do mar (Ex 15,5). Ao sopro do hálito de Deus o mar os sepultou; submergiram como chumbo na vastidão das águas (Ex 15,10) e nunca mais foram vistos aqueles que oprimiam o povo de Israel (Ex 14,13). Eles cantaram então, do outro lado do mar, o hino de vitória!
Nós também podemos também atravessar a pé enxuto pelos mares vermelhos da nossa vida quando permitimos que o novo Moisés que é Jesus esteja no controle da situação e destrua os faraós que nos perseguem!
Na batalha contra Amalec (Ex 17, 8-16), enquanto Moisés estava com as mãos erguidas aos céus, o exército de Israel vencia o combate. E mesmo quando ele cansou os seus braços Aarão e Hur sustentaram suas mãos até o pôr-do-sol e Josué derrotou Amalec e seu povo a fio de espada.
Se o Senhor é a nossa bandeira (Javé-Nessi), e nós a levantamos para ser vista por toda a terra, as bandeiras dos nossos inimigos não ficarão de pé. Todas elas prostar-se-ão diante da bandeira de Deus! Somente a bandeira de Deus pode ser movimentada pelos ventos e vista por todos os povos!
Quando os filhos de Deus desejaram entrar na terra prometida (Js 6), Jericó encontrava-se fechada. A cidade estava toda murada a ponto de que ninguém podia sair e nem entrar! Mas Deus disse a Josué: “Vê entreguei-te Jericó, seu rei e seus valentes guerreiros”. Os israelitas deram então seis voltas ao redor de Jericó. No sétimo dia, porém, eles levantaram-se de madrugada e deram sete voltas ao redor de Jericó. Na sétima volta, deram um forte grito e as trombetas forma tocadas mais alto ainda. E quando todo o povo ouviu o som das trombetas, levantaram um grande clamou e as muralhas que eram impedimento pra que eles tomassem posse da terra prometida, desabaram ao chão.
A vitória encontra-se no louvor! Ele tem o poder de levar ao chão todos os obstáculos e muralhas que nos impedem de contemplar o impossível e ver a glória de Deus!
Na batalha contra os madianitas (Jz 7-8), estando Gedeão a frente do exército de Deus, o número do exército inimigo era incontável: Diz a Palavra de Deus que eram tão numerosos como gafanhotos e seus camelos eram também inumeráveis como a areia das praias (Jz 7,12). Deus, no entanto, escolheu apenas 300 homens para guerrear contra esses incontáveis madianitas. Era apenas 1% do número de homens comparado ao que havia antes! E adivinha quem venceu essa batalha? Os trezentos homens escolhidos por Deus! Antes, porém, eles foram levados para um rio e lamberam com a língua as águas desse rio enquanto os outros haviam se ajoelhado para tomar a água desse rio. Por que eles lamberam com a língua a água desse rio?
Porque ali, já era uma prefiguração do Batismo com Espírito Santo e do recebimento das línguas de fogo e da Oração em Línguas (At 2,3s). Nós, também, temos que entender nesse episódio bíblico, que a vitória no combate não depende do número de soldados, mas da Força que vem do céu (I Mc 3,19)! E essa força nós a chamamos de Espírito Santo de Deus (Lc 24,49; At 1,8)!
Quando o povo de Israel estava enfrentando os filisteus (I Sm 17), depararam-se com um gigante de nome Golias, que tinha aproximadamente três metros de altura e era chamado de campeão, porque até então não havia perdido nenhuma batalha sequer (I Sm 17,4)! Eu falei: até então...
A roupa dele de soldado era uma couraça de escamas de bronze que pesava mais de cinquenta quilos e na cabeça um capacete de bronze. E só a ponta de sua lança pesava seis quilos. Durante quarenta dias Golias gritava: Aí nesse exército não tem homem para lutar comigo não? Ao ouvir essas palavras, todos os israelitas consternados e cheios de medo (v.11)! Um jovem chamado Davi ia e vinha, visitando o acampamento. Quando Davi ouviu o desaforo que Golias falava contra o exército de Deus disse: Eu vou lutar contra ele! Davi pegou num lago cinco pedrinhas e correu ao encontro do gigante Golias. Davi meteu a mão no bordal pegou uma pedra, atirou-a com funda e acertou na testa do filisteu. A pedra afundou na testa do filisteu, que caiu de bruços no chão. Davi correu, parou diante do filisteu, pegou a espada dele, a desembainhou e com ela acabou de matá-lo, cortando-lhe a cabeça.
Não é pela espada nem pela lança que o Senhor concede a vitória; pois a guerra pertence ao Senhor! É Ele quem entrega os nossos inimigos em nossas mãos (I Sm 17, 47)! Por isso, Deus escolhe os fracos para confundir os fortes e escolhe os menos instruídos para confundir os sábios (I Cor 1, 27). Nos dias atuais você é chamado por Deus a ser essa pedra que derrota os Golias modernos, cortando-lhe a cabeça!
Em todas essas batalhas que o povo de Israel enfrentou, Deus sempre esteve no controle da situação concedendo vitória ao seu povo derrotando todos os seus inimigos! O nosso Deus não conhece derrota! A vitória sempre está ao seu alcance.
Deus permite que Satanás se levante momentaneamente na nossa vida apenas com a única finalidade: para que percebamos que o seu Filho Jesus é o Senhor das situações e SOMENTE NELE podemos alcançar a vitória que tantos sonhamos e desejamos! Aí sim, Satanás levantar-se-á apenas para cair e o que ficará de pé é a glória de Deus, porque nós estaremos de joelhos adorando Aquele que vive por toda a eternidade e pondo a nossa coroa no chão do altar de Deus para suplicar misericórdia pela humanidade!
As nossas armas não são a espada e nem o exército, nem tampouco os nossos músculos ou nossas habilidades humanas; mas as nossas lágrimas, que podem ser lidas pelo nosso Deus como verdadeiras súplicas e aceitáveis adorações de santos imaculados; os nossos silêncios, que são as orações mais poderosas e capazes de quebrar maldições, até mesmo de gerações sendo nossas ou daqueles que nos propomos a rezar; e os nossos olhares, em que direcionados e fitados para Aquele que está sentado à direita de Deus – O CRISTO! –, encontra-se uma verdadeira declaração de amor, como por exemplo: “Eu estou com muitas saudades daí (que é o céu!), leva-me ao teu encontro o mais rápido possível, com ou sem arrebatamento!” e, mesmo estando no meio de infiéis e traidores, caminha nesta terra nas estradas da santidade, rompendo-se com as trevas!
Não podemos está no combate, desejando e lutando pela vitória, se primeiro não nos vencemos! Não podemos, em Deus, destruir os nossos inimigos, se antes permitimos que a nossa carne e o nosso achismo, sufoque a consagração que um dia nos propomos para com o nosso Deus de eternos servos apaixonados para com o Senhor! Todos os demônios enxergam a Marca do Eterno que está em nós. Mas, muitas vezes não confessamos o senhorio de Jesus para os homens!
Se você tivesse a atitude de bater de frente com os teus desejos e se resistisse dos teus pecados até o fim, e guardasse o teu corpo, lembrando assim que ele é o templo santo do Pai, Deus não precisaria levantar pregadores neste mundo para o anúncio de sua Palavra; porque as pessoas olhariam para você! E em você, as pessoas leriam o Evangelho que está escrito no teu proceder cotidianamente. Cada atitude tua seriam capítulos e versículos capazes de converter as pessoas e assim elas abandonariam de uma vez por todas, a vida imunda que um dia aceitaram de propostas mentirosas e desagradáveis a Deus. Mas, como nós muitas vezes não fazemos isso, Deus tem que ficar condicionado a escolher homens e mulheres, que apesar de seus erros, se colocam a disposição do Deus que é rico em misericórdia!
Todos nós desejamos que o nosso Grupo de Oração torne-se um verdadeiro cenáculo e atualização de Pentecostes, onde ocorram à manifestação dos carismas do Espírito Santo e multidões sejam batizadas e tenham vida no Espírito; mas na nossa vida, muitas vezes, encontram-se elementos do satanismo barrando assim o avivamento da Igreja de Deus! Vivemos como se fôssemos filhos de Satanás, muito embora sabendo que fomos batizados no Espírito Santo e fomos constituídos filhos de Deus. Não podemos esquecer jamais que as nossas armas são espirituais e que Deus não nos deixa sozinhos! Oração, jejum, terço mariano, Santa Missa, Adoração ao Santíssimo Sacramento são as pedras que derrotaremos o gigante Golias!
Para isso precisamos de uma vez por todas romper com as trevas e com o pecado e revestir-nos das armaduras de Deus. Como soldados devemos está vestidos com essas armaduras para destruirmos todos as flechas espirituais do mal e ciladas do demônio. E a Palavra de Deus nos aponta quais as armaduras necessárias para o combate:
Devemos estar cingidos com a verdade, o corpo vestido com a couraça da justiça e os pés calçados de prontidão para anunciar o Evangelho da paz. Sobretudo, devemos embraçar o escudo da fé, para apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Devemos, por fim, tomar o capacete da salvação e a espada do Espírito Santo, que é a Palavra de Deus.
A Palavra nos diz que enquanto vivermos ninguém poderá nos resistir (Js 1,5)! Se nós somos invencíveis e imbatíveis significa dizer que na batalha nós temos duas opções: A primeira é vencer e a segunda, também é vencer!
Não podemos esquecer uma arma fundamental que aqui já foi mencionada: É O LOUVOR E A ADORAÇÃO! A vitória no combate acontece quando nós servos de Deus e soldados do Altíssimo, levantamos a nossa espada do louvor. Todas as vezes quando pronunciamos o louvor a Deus os nossos inimigos fogem espantados porque não suportam ouvir o louvor que rendemos ao nosso Deus!
Você quer vencer a batalha? Então no lugar de murmurar e reclamar, levante uma poderosa oração de louvor! Sabe quantos israelitas que, mesmo atravessando o deserto rumo a Canaã, porém o fizeram murmurando e reclamando, entraram na terra prometida? Nenhum! O céu pertence aqueles que glorificam o nome de Deus dia e noite e mesmo que venham as situações difíceis a ponto de os fazerem derramar lágrimas, cada lágrima, porém, é um verdadeiro hino de louvor em que o nosso Deus é capaz de ler e ouvir!
Na vida do servo de Deus a vitória chega todas às vezes quando ele se coloca de joelhos diante do seu Deus. Deus se levanta de seu trono todas às vezes quando vê os seus servos clamando de joelhos a sua presença e apresentam a sua coroa no altar.
Também não nos esqueçamos de Maria que é aquela que afasta o inimigo diante da nossa presença através de sua intercessão!
Cássio José,
Pregação ministrada em: 06/02/2011 – I Kairós da RCC de 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página