Pesquisar neste blog:

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

JESUS CRISTO É DEUS MESMO?



 
Por Cássio José
Membro da Renovação Carismática Católica de Camocim
E da Catequese
Grupo de Oração: Renascer

            Essa discussão eu tive que enfrentar tanto na sala de aula, por conta de alunos adeptos de outras religiões e seitas, que não são cristãs, como também nas pregações que a gente faz por aí, uma vez que as perguntas, sobretudo dos que estão agora começando compreender um pouco da Palavra de Deus.
            A Igreja Católica deixa muito claro sobre o fato da Divindade de Jesus: Jesus de Nazaré é Deus! Mas, muitas religiões por aí estão espalhando uma possibilidade de Jesus Cristo, o Salvador do mundo inteiro, não ser Deus! 

            Existe uma comunidade separada, por exemplo, que na sua Bíblia foi ridicularizado a DIVINDADE DE JESUS, ao adulterar João 1,1. Compare:
            Na Bíblia Cristã: “No princípio era o Verbo, o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus”. (Vemos claramente que já nessa passagem bíblica, nos é revelado que Jesus é Deus).
            Na Bíblia deles: “No princípio era o verbo, o verbo estava com Deus e o verbo era [um] deus”. (Descaracterização da Divindade de Jesus Cristo).
            Ao comparar a mesma passagem bíblica (livro, capítulo e versículo) nessas duais Bíblias vemos que o homem querendo ser Deus (pecado de Adão e Eva), decide decretar se Jesus é ou não é Deus. Estou falando das TESTEMUNHAS DE JEOVÁ!
            Agora me digam: Que autoridade tenho eu para tirar da Bíblia alguma letra e colocar outra? Isso significa que eles adulteraram a Palavra de Deus! E isso é pecado gravíssimo. Nenhuma Igreja cristã fez isso. Nem mesmo os protestantes apesar de excluírem de suas Bíblias os 7 livros deuterocanônicos. Por acaso, As Testemunhas de Jeová é o próprio Espírito Santo para seu bel-prazer tirar essa letra, colocar no diminutivo e ainda colocar o artigo indefinido “um” entre colchetes? Por que foi isso que eles fizeram. Aliás, diga-se de passagem, que nem no Espírito Santo eles acreditam pois pregam que é apenas uma espécie de força ativa de Deus e não o próprio Deus em nós. Dessa forma eles também, desprezam de desacreditam na Santíssima Trindade. Isso é uma heresia e um absurdo! 
            Mas não somente essa seita (comunidade separada), há muitas outras religiões que afirmam por aí descaradamente e diabolicamente que Jesus não é Deus, o Messias e o Senhor. Muitas vezes, prega-se por aí, sobretudo entre os historiadores e filósofos e também nas universidades, um Jesus revolucionário, e pronto. Comparando-o até mesmo com muitas personalidades que foram surgindo ao longo da História. Isso é um sobra e traz rastros da Nova Era. O Papa João Paulo II, em1979, na Puebla, em sua primeira visita na América afirmou no seu discurso inaugural:
Esta visão de Jesus Cristo como um revolucionário de Nazaré não se coadula com a fé Católica”. (Discurso Inaugural).
            O próprio atual Papa, Bento XVI,quando ainda era cardial e prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, já afirmara no Documento Dominus Iesus, sobre a Unicidade e Universalidade Salvífica de Jesus Cristo e da Igreja:
Jesus é o Verbo Encarnado, pessoa uma e idivisa[...]. Cristo não é diferente de Jesus de Nazaré; e este é o Verbo de Deus, feito homem para a salvação de todos[...]
            Por tanto, Jesus de Nazaré não é um ser diferente do Verbo de Deus enviado ao mundo para a remissão das almas. Ele é o próprio Verbo de Deus feito homem, como afirmou a Igreja que na cruz derramou o seu sangue para a nossa salvação e do mundo inteiro. Esse discurso barato de tratar Jesus apenas como um revolucionário e mais um dos muitos líderes ou personagens que ao longo do decorrer da História da humanidade forma surgindo é um atrativo e artimanha para que a Nova Era, usado por Satanás, que descaracteriza e ridiculariza Jesus Cristo, sua Paixão, Morte e Ressurreição. Até entre alguns teólogos católicos há essa mancha que o encardido derramou sobre alguns filhos da Igreja.
 Observemos abaixo, um pequeno artigo sobre o assunto, feito pelo professor Felipe Aquino em seu livro “POR QUE SOU CATÓLICO?”, pp.28-29:  
“São os Evangelhos, meu amigo, autenticados pela mais severa crítica racionalista, que mostram a divindade de Jesus Cristo. Encontramos neles mais de quarenta milagres que Jesus fez, para deixar claro a sua divindade. São as sua “credenciais divinas”.
            São João, autor do quarto Evangelho, nos diz que nem tudo foi escrito, mas apenas o necessário para sabermos que Jesus é o Filho de Deus e Salvador:
“Fez Jesus, na presença dos seus discípulos, muitos outros milagres, que não estão escritos neste livro. Mas estes foram escritos, para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.” (João 20,30-31).
            Os milagres de Jesus provam a sua divindade.
            Ele provou que é Deus; isto é, Senhor de tudo, ONIPOTENTE (tudo pode), ONISCIENTE (tudo sabe no passado, presente e futuro), ONIPRESENTE (está em todos os lugares completo e inteiro ao mesmo tempo). Mostrou seu poder sobre a matéria, sobre a natureza, sobre a morte, sobre a doença, sobre os demônios, etc.
Eis alguns dos seus fantásticos milagres:
ü  Andando sobre s águas do mar da Galiléia, ele foi ao encontro dos Apóstolos que remavam com dificuldade contra o vento (Mt 14,26);
ü  Na bodas de Caná, transformou 600 litros de água em vinho (João 2);
ü   Por duais vezes ao menos multiplicou os pães e saciou a fome da multidão que o seguia no deserto (Mt 15,36);
ü  Curou dez leprosos que vieram ao seu encontro (Mt 8,3);
ü  Curou os cegos de nascença em Jericó (Mt 20, 29-34);
ü   Curou o paralítico na piscina de Betesda (Jô 5,1-18);
ü  Acalmou a tempestade, sobre o mar da Galiléia, que ameaçava fazer virar o barco onde estava com os Apóstolos (Mt 8,26);
ü  Expulsou os demônios de muitos (Mt 8,32);
ü  Curou muitos paralíticos (Mt 8,6);
ü  Ressuscitou a filha de Lázaro, irmão de Marta e de Maria, de Betânia (Jo 11, 43-44);
ü  Transfigurou-se no Monte Tabor (Mt 17,2);
ü  Ressuscitou triunfantemente dos mortos e apareceu as discípulos e para muitas pessoas (Mt 28,6; 1 Cor 15,1-2);

Os inimigos da fé católica comprovaram a autenticidade dos Evangelhos; são eles que provam a divindade de Jesus Cristo.”
O Documento de Aparecida já na introdução, afirma:
Sobretudo nos foi dado Jesus Cristo, a plenitude da revelação de Deus, um tesouro incalculável, a “pérola preciosa” (cf. Mateus 13, 45-46), o Verbo de Deus feito carne, Caminho, Verdade e Vida dos homens e das mulheres aos quais abre um destino de plena justiça e felicidade. Ele é o único Libertador e Salvador que, com sua morte e ressurreição, rompeu as cadeias opressivas do pecado e morte, revelando o amor misericordioso do Pai e a vocação, dignidade e destino da pessoa humana”. (Documento de Aparecida, introdução, n. 6). 

Um comentário:

  1. Caro irmão, te digo verazmente: Não há pecado no que as Testemunhas de Jeová fizeram com respeito à Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas.

    Os colchetes são usados para se completar a informação e esta regra de tradutores é bem conhecida em praticamente todas as traduções e com todos os tradutores - principalmente quando se trata de traduzir um livro como a Bíblia que foi originalmente escrita numa língua muito antiga e que veio, no decorrer de séculos, sendo traduzida em muitas outrras línguas.

    Os recursos de colchetes e outros são permitidos desde que se explique sua funcionalidade numa breve apresentação da obra traduzida. E no caso da TNMES isso é devidamente explicada.

    Caro irmão. Jesus é um dos milhões de deuses. Ele é o Filho do Deus Todo-Poderoso, Jeová. Ele não é o próprio Deus Todo-Poderoso Jeová mas Filho dele. Milhões de anjos também são deuses e são filhos do Deus Todo-Poderoso Jeová também. O colchete, portanto, como poderá ver no contexto de João capítulo 1 foi inserido para nos ajudar como estudantes da Bíblia a entender a natureza do Filho de Deus.

    Sobre a questão de letra minúscula. No original que o texto foi escrito - grego coiné - não foi escrito em maiúsculas e sim minúsculas. Nós é que colocamos maiúsculas para identificar os personagens. Não existe letras maiúsculas nem no grego antigo nem no hebraico.

    Caro irmãom, continuemos a crescer em conhecimento do Filho de Deus que nos dará vida eterna,

    Com amor, seu conservo,

    Wandrey

    ResponderExcluir

Total de visualizações de página