Pesquisar neste blog:

segunda-feira, 3 de maio de 2010

A “objeção de consciência”. Sou obrigado a fazer o que não concordo e que agride a minha fé?





«Os casos de aborto e de eutanásia não são os únicos que exigem a objeção de consciência», adverte Stefano Fontana, diretor do Observatório Internacional Cardeal Van Thuân (www.vanthuanobservatory.org), foco de promoção da doutrina social da Igreja.



O último boletim do Observatório, de sexta-feira passada, converte-se em porta-voz dessa realidade, publicando um comentário com o título «A objeção de consciência é um problema político. Sociedade democrática, relativismo e objeção de consciência».
«O relativismo que guia freqüentemente a legislação nos países ocidentais situa o cristão diante de novos problemas de consciência – constata. É o caso de leis que legalizam o aborto ou a eutanásia.»
Recorda que João Paulo II indicou que «leis desse tipo não só não criam nenhuma obrigação de consciência, mas, pelo contrário, estabelecem uma grave e precisa obrigação de opor-se a elas mediante a objeção de consciência («Evangelium vitae», 73).
Mas estes casos «não são já os únicos que exigem a objeção de consciência», aponta Fontana, aludindo ao recente discurso no qual Bento XVI sublinhou «a obrigação da objeção de consciência para os farmacêuticos».
«Pensemos em uma enfermeira que trabalha em um hospital no qual se praticam abortos», ou nos «funcionários de um município onde se registram uniões civis de pessoas do mesmo sexo», ou «em um empregado de um laboratório no qual se realizam seleções de embriões humanos», ou os trabalhadores de «editoras ou televisões que produzem material pornográfico», ou «em muitos advogados ou juizes que já se encontram com freqüência diante de situações-limite», exemplifica o diretor do citado Observatório Internacional.
Assim, «a objeção de consciência já é um problema político», considera.
Daí que seja necessário, em sua opinião, «empreender uma profunda reflexão sobre a objeção de consciência em política, vista como ‘resistência’, mas também como ‘renovação’, isto é, como um empenho não só negativo, mas também positivo e propositivo».
Stefano Fontana denuncia que, ao mesmo ritmo em que se «ampliam os casos nos quais se está chamado à objeção de consciência, assiste-se também a freqüentes negações desse direito».
«Ambas coisas se devem ao relativismo, que mostra assim sua íntima contradição», sintetiza.
O relativismo – explica – «propõe uma liberdade de consciência quase total, mas se um funcionário municipal rejeita registrar um casal homossexual, esse mesmo relativismo o impediria»: «denunciaria essa liberdade de consciência como imposição e violência para a liberdade de consciência».
Trata-se «de um dos aspectos mais sutis da ‘ditadura do relativismo’», conclui.

`A Proposito:

Ator Neal McDonough demitido por recusar cena de sexo


Mantendo-se fiel a seus princípios como cristão e homem de família, o ator de Hollywood Neal McDonough foi despedido de um anúncio comercial de uma série de televisão porque ele não aceita fazer cenas de sexo explícito.
A TV ABC demitiu McDonough só três dias depois de começar as filmagens, de acordo com uma fonte do canal citada no blog da colunista de Hollywood Nikki Finke, Deadline.com, por recusar fazer as cenas com a atriz Virginia Madsen na nova série do canal chamada “Scoundrels”.
A ABC oficialmente disse que a decisão era simples decisão de mudança de atores.McDonough, que é um católico casado e tem três filhos, também se recusou a fazer cenas ardentes com a atriz Nicolette Sheridan quando ele fez o papel do marido dela na estação 5 da popular série da ABC “Desperate Housewives”. Ele recusou cenas semelhantes em “Boomtown” da ABC também.“Custou-lhe empregos, mas o homem está se mantendo fiel a seus princípios”, a fonte disse para Deadline.com, que também informou que o papel pode valer pelo menos 1 milhão de dólares.
Uma fonte de “Scoundrels” escreveu no blog da Finke: “O caso não envolvia apenas ‘cenas quentes de amor’ — ele não queria de forma alguma beijar”.McDonough foi substituído pelo ator David James Elliott para o papel de “Scoundrels”.Além das séries de televisão, McDonough fez papéis em vários filmes, inclusive Band of Brothers, Star Trek: First Contact, Minority Report e The Hitcher.

http://www.comshalom.org/blog/carmadelio/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página