Pesquisar neste blog:

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

A Igreja proibiu a leitura da Bíblia?

A Igreja sempre estimou a Sagrada Escritura, juntamente com a Tradição apostólica, como fonte de fé. A leitura pública da Bíblia sempre foi usada na celebração dos Sacramentos; e, de modo especial na Eucaristia.
Aconteceu, porém, que algumas circunstâncias da história levaram algumas vezes as autoridades eclesiásticas a vigiar sobre o uso da Bíblia, especialmente na Idade Média.
A heresia dos Cátaros ou Albigenses, que, abusavam da Bíblia, obrigou os Padres dos concílios regionais de Tolosa (1229) e Tarragona (1234) a proibir provisoriamente aos cristãos leigos a leitura da Bíblia, para não serem enganados.
Por causa dos erros de J. Wicleff, o sínodo regional de Oxford (1408) proibiu as edições da S. Escritura que não tivessem aprovação eclesiástica porque os hereges deturpavam o texto sagrado.
Fica claro que a Igreja não proibiu a leitura da Bíblia, mas a leitura de edições deturpadas da Bíblia, como faz ainda hoje. Estas medidas não visavam impedir a propagação da Bíblia. Por exemplo, na Alemanha, o primeiro livro impresso por Gutenberg foi a Bíblia em dois volumes (1453-1456). Até 1477 saíram cinco edições da Escritura em alemão; de 1477 a 1522, houve nove edições novas (sete em Augsburgo, uma em Nürenberg e uma em Estrasburgo); de 1470 a 1520 apareceram cem edições de “Plenários”, isto é, livros que continham as epístolas e os evangelhos de cada domingo. Isto bem mostra como a Igreja estava longe de querer, em circunstâncias normais da vida cristã, restringir o estudo da Bíblia.
No séc. XVI, quando Lutero e os seus discípulos, fizeram da Escritura a “única fonte de fé”, donde tiravam suas inovações doutrinárias, os pastores da Igreja foram obrigados a tomar medidas necessárias para que o povo católico não fosse enganado pelas novas edições da bíblia protestante. Por exemplo, Lutero quando  traduziu a Bíblia para o alemão, acrescentou várias palavras que não se encontravam no original grego, como, p.ex., em Rm 3,28, onde ele diz que o “homem é justificado somente pela fé”: a palavra somente não se encontra no original grego. Esta palavra foi acrescentada para fundamentar a sua causa… Mas altera a Palavra de Deus.
Isto obrigou a Igreja católica a restringir o uso das versões bíblicas não autorizadas.  Por isso, o Papa Pio IV, em 24 de março de 1564, na bula “Dominici gregis” (regra 4ª), determinou que o uso de traduções vernáculas da Sagrada Escritura ficava reservado aos fiéis que, a juízo do respectivo bispo ou de algum oficial com proveito, para a sua fé e piedade. Em Portugal, os reis católicos, fieis a Igreja, já haviam antecipadamente tomado essas  medidas.
As restrições eram apenas para as traduções vernáculas, ficando o texto latino da Vulgata de uso livre para todos os fiéis. Não há dúvida, no séc. XVI, período de confusão religiosa e de inovações protestantes, mais ou menos subjetivas, a leitura da Bíblia podia constituir perigo para os fiéis não preparados.
Após esta fase os Papas voltaram a estimular a leitura da Bíblia. Pio VI (1775-1799) escreveu ao arcebispo A. Martini, editor de uma tradução italiana do texto bíblico, numa época em que os católicos ainda hesitavam sobre a oportunidade de tal obra:
“Vossa Excelência procede muito bem recomendado vivamente aos fiéis à leitura dos Livros Sagrados, pois são fontes particularmente ricas, às quais cada um deve ter acesso”.
S. Pio X (1903-1914) em carta ao cardeal Cassetta declarava:
“Nós, que tudo queremos instaurar em Cristo, desejamos com o máximo ardor que nossos filhos tomem o costume de ler os Evangelhos, não dizemos freqüentemente, mas todos os dias, pois é principalmente por este livro que se aprende como tudo pode e deve ser instaurado no Cristo… O desejo universalmente esparso de ler o Evangelho, provocado por vosso zelo, deve ser secundado por Vós, na medida em que se aumentar o número dos respectivos exemplares. E Oxalá jamais sejam propalados sem sucesso! Tudo isso será útil para dissipar a opinião de que a Igreja se opõe à leitura da Escritura Sagrada em língua vernácula ou lhe suscita alguma dificuldade” (Revista PR, Nº 11, Ano 1958, Página 452).
Os Pontífices subseqüentes, principalmente Bento XV e Pio XII, muito incentivaram o estudo científico da Bíblia como o uso da mesma na vida de piedade.


www.cleofas.com.br - blog. prof. Felipe Aquino 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página